Presidenciais

Nobre afirma que “colagem” da sua candidatura a Soares é um “faits divers”


 

Lusa/AO Online   Nacional   28 de Jun de 2010, 06:24

 O candidato à Presidência da República Fernando Nobre considerou hoje a “colagem” da sua candidatura a Mário Soares como um “fait diver” criado por quem não quer “discutir propostas sérias para o país”, recordando que não pediu nenhum apoio.

Questionado pelos jornalistas sobre se seria considerado um insulto para ele e para Mário Soares quando se diz que a sua candidatura é da ala soarista, Fernando Nobre respondeu que sim, afirmando que são “argumentos de pessoas que já não têm outros mais válidos” para o atacarem porque não é pessoa de se deixar empurrar seja por quem for.

“Tomo as decisões pela minha cabeça, decido o que quero fazer e acho que também não é muito laudatório para o doutor Mário Soares, porque ele não precisa de se meter nessas coisas”, realçou o candidato à Presidência da República.

Sobre o facto do apoio dos soaristas ser ou não bem-vindo, Nobre disse que “o apoio de todas as pessoas de bem, é bem-vindo porque há pessoas com coluna vertebral em todos os quadrantes políticos” em Portugal.

“Por isso venham os soaristas, venham os moreiristas, venham os carvalhistas, venha quem quiser desde que venha por bem porque eu não vou mudar uma vírgula da minha postura e dos objetivos que tracei quando me candidatei”, enfatizou.

Garantindo que os soaristas decidirão “no momento certo e se assim o entenderem” o apoio à sua candidatura, o médico recordou que não pediu o “apoio de ninguém nem de nenhum partido político” e que “desde a primeira hora” afirmou que não iria para Belém “amarrado” fosse por quem fosse.

“Com certeza que me sentiria honrado se Mário Soares estivesse presente numa ação de campanha minha porque ele é daqueles raros portugueses que já pertencem à história do século XX. Se ele entender fazê-lo, ele fá-lo-á, mas isso só depende dele”, enfatizou.

“Que eu saiba, Mário Soares, de quem sou amigo há 26 anos, não é portador da peste negra e por isso não vejo razão dessa colagem. São argumentos de pessoas que a meu ver não querem discutir propostas sérias para o país e que se agarram ao fait diver porque gostam de se entreter com isso mas eu não acho piada nenhuma”, condenou Fernando Nobre, que falava à margem da homenagem a Mário Soares que hoje termina em Arcos de Valdevez.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.