Nobel despedido após criticar as mulheres no mundo da ciência


 

Lusa/AO online   Internacional   11 de Jun de 2015, 12:42

O cientista inglês Tim Hunt, prémio Nobel de fisiologia e medicina em 2001, foi despedido da University Colegge London (UCL) devido aos seus comentários sobre o comportamento das mulheres no mundo da ciência, confirmou a universidade.

 

"Deixem-me contar o meu problema com as mulheres passam-se três coisas quando estás no laboratório: apaixonas-te por elas, elas apaixonam-se por ti e, quando as criticas, choram", declarou na conferência o Nobel de 72 anos, palavras que levaram ao seu despedimento.

Num comunicado, a universidade anuncia que Hunt "deixou o seu posto como professor honorário da Faculdade de Ciências da UCL após os comentários que fez sobre as mulheres na Conferência Mundial De Jornalistas de Ciência a 09 de junho", na Coreia de Sul.

"A UCL foi a primeira universidade em Inglaterra a admitir mulheres em condições de igualdade com os homens e acreditamos que este desfecho se ajusta ao nosso compromisso com a igualdade de género", sublinha-se no comunicado.

Os comentários de Hunt, pelos quais o cientista se desculpou na quarta-feira, ainda que tenha mantido o seu conteúdo, suscitaram diversas críticas de cientistas e instituições de investigação, noticia a agência Efe.

A Royal Society, uma prestigiosa associação científica britânica da qual Tim Hunt é membro desde 1991, também se distanciou dos comentários que minam os esforços para atrair mais mulheres ao mundo da ciência.

Em declarações feitas na quarta-feira à BBC, a emissora pública de rádio e televisão do Reino Unido, Tim Hunt insistiu que as suas afirmações pretendiam ser graciosas, embora tenha reconhecido que cometeu "uma estupidez" ao dizê-lo na presença de tantos jornalistas, noticia a agência Efe.

"Subscrevo a parte do problema com as mulheres. É verdade que as pessoas, aliás, eu me apaixonei num laboratório e apaixonaram-se por mim e é muito perturbador para a ciência porque é importante que num laboratório as pessoas estejam em termos de igualdade", justificou.

"Estes enredos emocionais tornam a vida muito difícil", asseverou o cientista, lamentando se ofendeu alguém e dizendo que só tentou "ser sincero".

Hunt continuou a defender os seus comentários sexistas ao afirmar que "é muito importante que se possa criticar as ideias das pessoas sem que o tomem como algo pessoal e, se se põem a chorar, fazem com que se comece a esconder a verdade".

"A ciência trata-se de chegar à verdade e tudo o que se interponha no caminho mina a ciência", acrescentou.

O especialista descreveu-se como machista na conferência e defendeu a separação de homens e mulheres nos laboratórios.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.