Prémio

Nobel atribuído a "pai" da fertilização in vitro


 

Lusa/AO online   Internacional   4 de Out de 2010, 11:21

O Nobel da Medicina foi ao britânico Robert G. Edwards, "pai" da fecundação in vitro, descoberta que ajudou milhares de casais inférteis a ter filhos, anunciou hoje em Estocolmo o comité do Prémio Nobel.
Robert G. Edwards e Patrick Steptoe, que morreu em 1988, desenvolveram ambos a técnica de fertilização in vitro (IVF), permitindo a fertilização exterior das células do óvulo, que são posteriormente implantadas no útero.

Robert G. Edwards, de 85 anos, foi distinguido "pelo desenvolvimento do tratamento da fecundação humana in vitro", refere o comité em comunicado, lembrando que as suas descobertas "tornaram possível o tratamento da esterilidade que afeta uma larga percentagem da humanidade e mais de 10 por cento dos casais em todo o mundo”.

A técnica esteve na origem do nascimento, em 1978, do primeiro "bebé-proveta", a britânica Louise Joy Brown.

Desde então, nasceram em todo o mundo mais de 4 milhões de pessoas graças à fecundação in vitro.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.