Mundial2010

Nelson Mandela dá brilho especial ao encerramento

Nelson Mandela dá brilho especial ao encerramento

 

Rui Barbosa Batista-Lusa/AO online   Futebol   11 de Jul de 2010, 19:39

Uma imensa palete de cores, envolventes ritmos e cativantes danças africanas marcaram uma iluminada cerimónia de encerramento do Mundial2010 de futebol, com o brilho ímpar de uma aparição relâmpago de Nelson Mandela
O histórico primeiro líder negro da África do Sul surgiu transportado até ao centro do relvado por um veículo móvel: não esteve no relvado mais do que um par de minutos, o suficiente para ser acarinhado e receber a maior manifestação de carinho dos quase 90 000 eufóricos nas bancadas.

“Madiba, Madiba, Madiba”, o nome com que é carinhosamente tratado por brancos e negros, foi, até ao momento, o herói de mais um dia histórico para a África do Sul, no festivo encerramento do primeiro Campeonato do Mundo em solo africano, em que Holanda e Espanha disputam a final.

As ruidosas vuvuzelas silenciaram-se e as multicoloridas bancadas entoaram “Madiba, Madiba, Madiba”, após o final do festivo espetáculo de encerramento antes da final: a poucos dias de completar 92 anos, o líder histórico do ANC (falhou a cerimónia de abertura por falecimento de uma neta) apenas cumprimentou os presentes, não falou, mas sorriu muito.

Antes disso, o mundo pôde assistir a um conjunto de atuações de músicos africanos, todas coreografadas ao melhor dos estilos do continente que organizou – os quentes ritmos foram imitados por milhares nas coloridas bancadas.

Logo no início, a colombiana Shakira cantou ao vivo o “Waka Waka” (This Time for África) a música oficial do evento.

Boa parte do espectáculo foi produzido com a ajuda de uma tela gigante estendida no tapete onde se vai decidir o 19.º título da história, que vai consagrar a oitava equipa a levantar o troféu.

O espectáculo principiou com três jactos a sobrevoar o estádio e prosseguiu na tela com imagens das bandeiras dos 32 paises participantes, bem como alguns dos futebolistas e treinadores mais mediáticos da competição, além do público, parte essencial ao êxito da prova.

Instrumentos projectados no chão e bailarinos a fingir tocá-los enquanto dançam – destacou-se o efeito especial de um xilofone e duas ‘maracas’ – foi o efeito especial mais aplaudido nas bancadas.

Falsos elefantes a caminhar até beber num lago também fizeram parte do cenário de um espetáculo que promete continuar em festa com as duas selecções que se revelaram mais fortes na competição.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.