"Não há nada definido" sobre continuidade de Fernando Pinto na liderança da TAP

"Não há nada definido" sobre continuidade de Fernando Pinto na liderança da TAP

 

Lusa/AO online   Nacional   19 de Dez de 2017, 15:57

O presidente executivo da TAP, Fernando Pinto, garante que nada está fechado sobre a sua continuidade no cargo e que, qualquer que seja a solução, "importante é ser de comum acordo".

"Não há nada definido. A decisão é dos acionistas", afirmou Fernando Pinto quando questionado se vai haver uma renovação do seu mandato ou não.

Num encontro com os jornalistas, o CEO disse ainda que o que vier a ser definido sobre essa matéria será "o melhor para a TAP" e que o importante "é que seja de comum acordo".

Fernando Pinto termina este ano mais um mandato à frente da companhia aérea.

"Eu tenho uma grande vantagem: são 17 anos na TAP, o que é muito bom, mas eu cheguei aqui com uma missão que era privatizar a companhia e isso foi feito há dois anos. Pediram-me para continuar para haver uma estabilização durante o processo de transição da privatização, que é hoje um grande sucesso", afirmou Fernando Pinto.

O responsável acrescentou ainda que nesses 17 anos, "15 foram de sobrevivência" da companhia e os últimos dois anos, então, "de transição".

Em 25 de novembro, em Macau, o administrador não executivo da TAP Diogo Lacerda Machado disse que o acionista Estado "gosta muito" do presidente executivo da transportadora aérea, Fernando Pinto, mas que, reconhecendo-lhe todo o mérito, este responsável sairá da empresa "quando entender".

"O engenheiro Fernando Pinto é uma pessoa que merece toda a nossa admiração e reconhecimento, e a nossa homenagem. Sou um admirador incondicional. O que ele e a equipa dele fizeram pela TAP nestes 17 anos é absolutamente extraordinário: Sem capital, sem fundos próprios e com uma enorme dificuldade, com o lastro de um passivo que vem desde 1998, e conseguir privatizar a companhia", disse o responsável em Macau, à margem do 43.º Congresso Nacional das Agências de Viagens e Turismo (APAVT).

Quando questionado sobre uma eventual sucessão de Fernando Pinto na presidência executiva, o administrador nomeado pelo acionista Estado afirmou: "O engenheiro Fernando Pinto tem direito a sair quando quiser e como quiser".

A eventual saída de Fernando Pinto da companhia aérea tem sido noticiada desde o verão passado, no entanto o atual presidente executivo (CEO) disse em 10 de outubro, em Matosinhos, que a sua saída não estava para breve.

"A empresa vai continuar a crescer, não tenho dúvida nenhuma disso, e em breve iremos ter novidades, como também posso dizer que em breve não irei sair", declarou, na altura, Fernando Pinto.

Em novembro, Lacerda Machado, quando questionado se o acionista Estado preferia que o atual CEO se mantivesse à frente da transportadora, insistiu ainda que "o acionista Estado gosta muito do engenheiro Fernando Pinto", mas este "sairá quando entender" e "como entender".

"E era o que faltava que, nesse momento, não reconhecêssemos o trabalho que o engenheiro Fernando Pinto fez. Se ele quisesse sair agora, seguramente que o Estado não se importaria, mas não precipita, nem o contrário. Era mau demais para aquilo que o engenheiro Fernando Pinto fez", considerou.

Em 19 de outubro, em Lisboa, quando a mesma pergunta foi feita a David Neeleman, empresário que integra o consórcio Atlantic Gateway (que, por sua vez, com Humberto Pedrosa, detém 45% da TAP), este respondeu que – caso Fernando Pinto queira manter-se - "há sempre um lugar na TAP”.

Instado a esclarecer se essa continuidade será na presidência executiva, o empresário notou, na altura, que essa é uma decisão dos acionistas, repetindo que “vai ter sempre lugar na TAP”.

Já sobre uma possível futura nomeação de Antonoaldo Neves, que veio da companhia aérea Azul este ano para a Comissão Executiva e, consequentemente, para o Conselho de Administração, da TAP, no lugar de Trey Urbahn, o administrador não executivo da TAP disse que este responsável "é um homem que provou no Brasil e na Azul".

"É um perfil interessante, uma pessoa do setor e, como sabem, o que está, essencialmente, acertado entre o Estado e os privados, é que a gestão quotidiana, que concretiza o objeto estratégico, o objeto de ajustamento e de acordo, é muito confiável aos privados. O Estado tem possibilidade de se pronunciar, mas sendo uma pessoa do setor, admito que possa ser uma opção por parte dos privados e não quero crer que haja qualquer problema por parte do Estado".

Levado a comentar se o Estado não se iria opor ou se veria mesmo essa sucessão "com bons olhos", Lacerda Machado disse, ressalvando ser só "a sua opinião", é que Antonoaldo Neves "tem perfil, é uma história de sucesso" e que não se "surpreenderia que houvesse indigitação".




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.