Municípios do Pico criticam saída da TAP da ilha e defendem mais ligações

Municípios do Pico criticam saída da TAP da ilha e defendem mais ligações

 

Lusa/AO Online   Regional   6 de Mar de 2015, 12:37

A Associação de Municípios do Pico considerou esta sexta-feira que "o abandono da TAP" é "uma página muito negra" da companhia aérea e disse ser "incompreensível" que a SATA faça apenas duas ligações semanais entre a ilha e o continente.

 

“O abandono da TAP da ilha do Pico corresponde a uma página muito negra da companhia pública de transportes aéreos portugueses que repudiamos”, sustenta um comunicado das três câmaras municipais da ilha do Pico, nos Açores.

A TAP vai deixar de voar para as ilhas do Pico e Faial a partir de 29 de março, quando entram em vigor novas obrigações de serviço público nestas rotas. Simultaneamente, a SATA anunciou que vai começar a fazer ligações entre o Pico e Lisboa (com escala na Terceira), garantindo duas ligações semanais durante todo o ano.

“Os fundamentos expostos levam-nos a não concordar com a realização de duas ligações semanais entre o Pico e o continente, durante todo o ano, relegando, mais uma vez, a ilha para segundo plano”, sustenta a associação de municípios, dizendo que o número de ligações é "insuficiente" e "incompreensível".

Assim, as três câmaras reivindicam, nos meses de novembro a março, duas ligações semanais, ao sábado e quarta-feira, e em abril, maio e outubro três ligações (ao sábado, segunda e quarta-feira).

Além disso, defendem quatro ligações (ao sábado, segunda, quarta e sexta-feira) em junho e setembro e, nos meses de julho e agosto, cinco ligações (sábado, domingo, segunda, quarta e sexta-feira).

Os municípios da Madalena, S. Roque e Lajes do Pico entendem que neste "momento histórico", de reorganização dos transportes públicos aéreos entre o Pico e o continente, esta é "uma oportunidade única" para reorganizar o modelo e também para desenvolver a ilha em termos turísticos.

A associação destaca, por exemplo, as características do aeroporto da ilha, que permitem que seja aumentado com menores custos, e que será usado tanto pelas populações do Pico como de São Jorge (cujo aeroporto não tem ligações para fora dos Açores), "num universo de aproximadamente 25.000 pessoas".

Além disso, sublinham a oferta turística, designadamente "o número de camas do Pico e de São Jorge, que é de cerca de 1.200", e defendem ainda uma reorganização do modelo de transportes públicos aéreos tendo em conta "uma visão integrada das ligações do Pico e do Faial com o continente, que assegure um maior equilíbrio e equidade na sua distribuição, com claros benefícios também para a ilha de S. Jorge".

"Este é um momento decisivo para o desenvolvimento económico da ilha do Pico, em especial na vertente turística, e por isso, não podemos, nem devemos, adiar esta oportunidade para que a SATA, a nossa companhia aérea açoriana, cumpra os princípios para que foi criada e promova o desenvolvimento harmonioso dos Açores ", sustentam os três municípios.

Pico, Faial e São Jorge formam o chamado triângulo do arquipélago dos Açores, estando ligadas durante todo o ano por ligações marítimas de transporte de passageiros.

Na sequência da saída da TAP do Faial, a SATA anunciou que vai passar a fazer entre cinco e dez voos semanais entre esta ilha e Lisboa nos meses de época alta (abril a outubro).

Quanto ao Pico, tinha até agora dois voos semanais para Lisboa em julho e agosto e uma ligação no resto do ano, numa operação que era apenas assegurada pela TAP.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.