Mundo tornou-se "mais sombrio e mais instável" em 2016

Mundo tornou-se "mais sombrio e mais instável" em 2016

 

Lusa/AO Online   Internacional   22 de Fev de 2017, 07:39

O mundo tornou-se em 2016 "um local mais sombrio e mais instável", devido ao agravamento de conflitos como a Síria e dos "discursos do ódio" na Europa e Estados Unidos, considerou hoje a Amnistia Internacional no seu relatório anual.

 

"Para milhões [de pessoas], 2016 foi um ano de implacável miséria e medo, com governos e grupos armados a atentar contra os direitos humanos numa multitude de formas. Grande parte da mais populosa cidade da Síria, Alepo, foi massacrada em ataques aéreos e batalhas nas ruas até ficar em pó", notou o secretário-geral da Amnistia Internacional (AI), Salil Shetty, nas primeiras linhas do prólogo do relatório anual da organização relativo a 2016.

Shetty apontou ainda "a feroz campanha contra vozes divergentes [do regime] na Turquia e no Bahrein", o "crescimento do discurso do ódio em muitas partes da Europa e dos Estados Unidos" ou "as mortes ilícitas em massa no Sudão do Sul" como indicadores de que "o mundo em 2016 tornou-se um local mais sombrio e instável".

A perspetiva da AI, no entanto, é que o ano de 2017 venha a ser ainda pior.

"É provável que qualquer narrativa abrangente que procure explicar os eventos turbulentos do ano passado fique aquém do necessário. Mas a realidade é que começamos 2017 num mundo profundamente instável, cheio de trepidação e incerteza quanto ao futuro", adiantou Salil Shetty.

A contribuir para este cenário, explicou o secretário-geral da AI, surge em primeiro lugar a mudança na Casa Branca.

"A eleição de Donald Trump como Presidente dos EUA constitui, talvez, o mais relevante dos muitos eventos sísmicos" de 2016, realçou o responsável da organização, explicando que esta "segue-se a uma campanha na qual frequentemente fez declarações profundamente divisionistas, marcadas pela misoginia e a xenofobia, e prometeu reduzir liberdades cívicas estabelecidas" e políticas contrárias aos direitos humanos.

Para Salil Shetty, "a venenosa retórica de campanha de Donald Trump exemplifica uma tendência global rumo a políticas mais violentas".

"Em todo o mundo, líderes e políticos apostaram o seu poder futuro em narrativas de medo e desunião, pondo a culpa no 'outro' pelas queixas, reais ou fabricadas, dos seus eleitorados", pode ler-se no relatório da AI.

Apesar das lições do passado, em "2016 vimos que a própria ideia de dignidade humana e igualdade, a própria noção de família humana, foi vítima de um vigoroso e implacável ataque por parte das narrativas da culpa, do medo e dos bodes expiatórios, propagadas por aqueles que procuram tomar ou manter-se no poder a qualquer custo".

A AI considerou que a mais clara manifestação do "desprezo por estes ideais" ao longo de 2016 fica evidente quando "o bombardeamento deliberado de hospitais na Síria e no Iémen se torna uma ocorrência rotineira", quando "os refugiados são empurrados de volta para zonas de conflito" ou quando o mundo demonstra uma "quase total inação perante Alepo", fazendo lembrar "falhanços semelhantes no Ruanda e Srebrenica, em 1994 e 1995".

Um dos mais preocupantes desenvolvimentos de 2016, explica o responsável da AI, foi o resultado "de um novo acordo oferecido pelos governos ao povo - que promete segurança e desenvolvimento económico em troca de ceder os direitos de participação e liberdades cívicas".

"Na esteira de uma tentativa de golpe em julho, durante o estado de emergência, a Turquia escalou a sua campanha contra vozes dissonantes. Mais de 90 mil funcionários do setor público foram afastados sob a acusação de alegadas 'ligações a organização terrorista ou ameaça à segurança nacional'", sublinha a AI, acrescentando que "118 jornalistas foram retidos em prisão preventiva e 184 órgãos de comunicação foram encerrados permanentemente e de forma arbitrária".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.