Movimento considera "vitória da cidadania" alteração de projeto em Ponta Delgada

Movimento considera "vitória da cidadania" alteração de projeto em Ponta Delgada

 

Lusa/AO Online   Regional   2 de Jun de 2016, 12:11

O movimento cívico "Queremos a Calheta de Volta" considerou hoje uma "vitória da cidadania" a "mudança radical" apresentada para as inacabadas galerias comerciais da Calheta Pêro de Teive, em Ponta Delgada, nos Açores, apelando à rápida abertura do estacionamento.

 

“Acho que é uma vitória da cidadania, mas no fundo há sempre uma nódoa de tristeza, porque tudo isso poderia ser evitado”, afirmou, em declarações à agência Lusa, Manuel Moniz, representante do movimento cívico criado em 2013 para lutar contra o empreendimento comercial construído na Calheta, mesmo em frente à marida de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

Na quarta-feira, o Fundo Discovery apresentou ao presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, uma solução arquitetónica que prevê a demolição das inacabadas galerias comerciais, a criação de um jardim público na zona central e, nas laterais, a edificação de um imóvel complementar ligado ao turismo.

Permanecem os dois pisos de estacionamento subterrâneo, já construídos, o edifício para o posto de turismo e espaço para uma clínica.

Manuel Moniz, que disse ter tomado conhecimento do projeto pela comunicação social, referiu que “se não tivesse sido o movimento popular as pessoas não se tinham apercebido da situação”, pelo que agora “ficam satisfeitos a população, o Governo Regional e o próprio fundo” privado de investimento que detém o espaço.

“O que nós achamos agora muito importante é que seja dado acesso ao comércio da zona ao parque de estacionamento o mais rápido possível”, defendeu, acrescentando que “havia 32 estabelecimentos comerciais no local quando as obras começaram e neste momento há menos de metade”, devido “à nódoa que ali se criou durante vários anos”.

O representante do Fundo Discovery, Pedro Seabra, referiu na quarta-feira não poder avançar com uma calendarização para a concretização do novo projeto, porque “ainda vai ser trabalhado”.

Para Manuel Moniz, a não definição de prazos é “preocupante”, embora considere que se o Fundo Discovery está “a pensar implementar mais uma unidade hoteleira não vai querer levar muito tempo”.

As galerias comerciais, que estão por concluir, integram o empreendimento hoteleiro Azor, sob gestão da marca DHM - Discovery Hotel Management, que entrou em funcionamento no passado fim de semana.

Aquando da sua construção, um grupo de cidadãos uniu-se num movimento e lançou uma petição pública, denominada “Queremos a Calheta de Volta”, alegando que os terrenos da antiga Calheta de Pêro de Teive, que foram conquistados ao mar, tinham como destino prometido a construção de uma zona de lazer.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.