Monumentos militares constituem série filatélica a ser apresentada terça-feira

Monumentos militares constituem série filatélica a ser apresentada terça-feira

 

Lusa/Açoriano Oriental   Regional   8 de Mai de 2017, 15:22

A fortaleza de São João Baptista, em Angra do Heroísmo, e o forte de São Brás, em Ponta Delgada, são alguns dos monumentos militares que constituem uma nova série filatélica a ser apresentada na terça-feira, anunciaram os CTT-Correios de Portugal.

A emissão filatélica "Castelos e Fortificações" é composta por três selos com o valor facial de 0,80 euros cada e "uma tiragem de 135.000 para os selos do continente e Açores e de 155.000 para o selo da Madeira", segundo o comunicado dos CTT.

A emissão inclui ainda três blocos, cada um com dois selos, com o valor de 1,60 euros cada e uma tiragem de 40.000 exemplares cada um.

O design dos selos é de autoria de Hélder Soares do ateliê Design&etc.

O Castelo de Almourol é "um dos mais notáveis monumentos militares medievais" da reconquista cristã, edificado num ilhéu no rio Tejo, no distrito de Santarém, o castelo já existia em 1129, sendo então denominado "Almorolan".

Na porta principal está inscrita a data de 1171, alusiva à Ordem dos Templários, que estabelecera a sua sede um pouco mais a norte, na cidade de Tomar.

Este castelo está representado juntamente com o de Marvão, num bloco filatélico. O castelo alto-alentejano, "ergue-se num dos pontos mais altos da vertente norte da Serra de São Mamede" e foi construído no século XIII para "assegurar estrategicamente a defesa da linha de fronteira a partir de Espanha, e foi conhecida como a fortificação mais inconquistável de todo o reino".

A emissão filatélica distingue, nos Açores, a fortaleza de São João Baptista, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, e o forte de São Brás, em ponta Delgada, na de São Miguel.

A fortaleza terceirense iniciou a sua construção em 1603 e mantém funções militares, sendo "o aquartelamento de tropas operacionais mais antigo em território português".

O forte de São Brás, do século XVI, fazendo parte do plano estratégico de defesa do porto e do ancoradouro de Ponta Delgada, a partir de 1940 tornou-se a sede do comando militar dos Açores.

A série filatélica madeirense contempla a fortaleza de São Tiago, no Funchal, obra iniciada por volta de 1614 durante a dinastia filipina para defesa da ilha.

Esta fortaleza foi edificada em meados do século XVII e funcionou como armazém de pólvora, e tem sido "uma inspiração para variados artistas que o representam em inúmeras obras de pintura, gravura, desenho e fotografia".

As obliterações de primeiro dia serão feitas nas lojas dos CTT nos Restauradores, em Lisboa, Munícipio, no Porto, Zarco, no Funchal, Antero de Quental, em Ponta Delgada e Angra do Heroísmo.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.