Consumo

"Moleskine", os famosos cadernos são "made in China"

"Moleskine", os famosos cadernos são "made in China"

 

Lusa/AO online   Economia   4 de Nov de 2010, 09:19

Os cadernos Moleskine – usados por Picasso, Hemingway e outras celebridades, como diz a publicidade – também já são feitos na China, mas os proprietários da marca querem igualmente vendê-los no mercado chinês e por preços europeus.
Uma exposição itinerante sobre “a experiência Moleskine” iniciada há três anos em Nova Iorque está agora em Xangai, num dos mais ‘chics’ edifícios do renovado “Bund”, a marginal neoclássica da cidade.

É uma colecção de 50 cadernos de bolso, de capa dura preta, com notas, desenhos, fotografias e colagens de outros tantos autores, entre os quais os cineastas Jia Zhangke e Zhang Yuan, o arquitecto Ma Yansong e o jovem escritor Han Han, que a revista Time incluiu este ano entre as “100 Personalidades mais influentes do mundo”.

Um “moleskine” de 14x9 centímetros custa no mínimo 120 yuan (13 euros), o que corresponde a dez por cento do salário mínimo em Xangai, que é, aliás, o mais alto do país. E uma agenda “moleskine” do mesmo tamanho custa quase o dobro.

“É muito caro porque é uma marca muito famosa”, explica a empregada de uma das lojas da Fuzhou Lu, a rua das livrarias e papelarias de Xangai, onde os “moleskine” já estão em venda.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.