Modelos atuais de sociedade não têm sustentabilidade

Modelos atuais de sociedade não têm sustentabilidade

 

Lusa/AO online   Nacional   7 de Out de 2014, 09:33

O mentor do Greenfest, festival da sustentabilidade, Pedro Norton de Matos, afirmou que os modelos de desenvolvimento da sociedade ocidental não estão a conseguir o equilíbrio no planeta, mas acredita na capacidade inventiva do homem para evitar "o abismo".

 

"Os modelos de desenvolvimento em que a sociedade ocidental se tem baseado nas últimas décadas não estão a conduzir a uma situação equilibrada", disse Pedro Norton de Matos, em declarações à agência Lusa, avançando o exemplo dos sistemas de segurança social que, independentemente dos aspetos políticos, "não são sustentáveis, portanto vai haver profundas ruturas".

Na análise dos últimos 200 anos, desde a revolução industrial, observa-se a delapidação dos recursos, acrescentou, recordando o relatório da organização internacional World Wild Fund (WWF), divulgado recentemente, cujas conclusões indicam que os habitantes da Terra não estão a compensar os recursos retirados da natureza.

"Não estamos a repor o que tiramos do planeta, estamos a consumir e a delapidar recursos a um ritmo muito mais elevado do que a sua regeneração, isso levanta enormes desafios, intergeracionais", explicou.

Pedro Norton de Matos acredita, no entanto, "na capacidade inventiva do homem, em termos de inovação e criatividade, que permita reverter este estado de coisas, porque, a este ritmo, e com este nível de não total consciência, vamos a caminho do abismo", salientou Pedro Norton de Matos.

A 7.ª edição do Greenfest, que se inicia na quinta-feira e decorre até domingo, no Estoril, é dedicada à "Educação para a Sustentabilidade", inclui seminários sobre vários temas e atividades diversas direcionadas para toda a família, com a organização da Câmara Municipal de Cascais e do Grupo Gingko.

Arquitetura e turismo sustentável, a nova economia cívica em Portugal, empreendedorismo, "networking", investimento social, indústrias criativas, psicologia ou agricultura familiar são alguns dos assuntos em análise no Greenfest, uma iniciativa que aborda a sustentabilidade nos seus três pilares: ambiental, social e económico.

Além de sensibilizar os visitantes para a necessidade de mudar comportamentos e procurar o equilíbrio entre as ações humanas e a natureza, o Greenfest apresenta alternativas mais amigas do ambiente para as opções quotidianas, como a reciclagem, e para as formas de estar, como a alimentação saudável, a que se juntam 100 expositores com ideias de negócio sustentáveis.

Pedro Norton de Matos salientou que se regista "uma progressiva maior sensibilização e sensibilidade e apetência por parte dos cidadãos em geral, das famílias e das empresas, para a importância da sustentabilidade".

Na área empresarial, "sinto que, neste momento, não há qualquer setor de atividade ou empresa que possa dizer que nada tem a ver com a sustentabilidade ou que não tem que ter uma estratégia de posicionamento" neste domínio, nomeadamente por causa do poder do consumidor, defendeu.

Para o mentor do Greenfest, um consumidor mais informado é um consumidor mais exigente e as novas gerações "já incorporam muito bem" a exigência de que os produtos ou serviços incluam as componentes da sustentabilidade, postura que "leva as marcas a terem de estar muitas atentas" aos seus clientes.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.