MNE alerta que terrorismo “é também uma ameaça aos portugueses”

MNE alerta que terrorismo “é também uma ameaça aos portugueses”

 

Lusa/AO online   Nacional   29 de Mar de 2018, 12:18

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, afirmou esta quinta-feira em Paris que o terrorismo é atualmente "a principal ameaça à paz e segurança no mundo e é também uma ameaça aos portugueses".

Questionado sobre se vai visitar Renato Silva, ferido no atentado de sexta-feira, no sul de França, o governante disse que não o vai fazer por estar em Paris, mas lembrou que o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, visitou o português no sábado de manhã, um dia após o ataque, e garantiu "todo o apoio necessário à respetiva família".

O chefe da diplomacia portuguesa aproveitou para reiterar que "todos os portugueses" estão sujeitos à ameaça terrorista.

"Eu, como ministro dos Negócios Estrangeiros, permito-me chamar a atenção de todos os portugueses que o terrorismo é hoje a principal ameaça à paz e segurança no mundo e é também uma ameaça aos portugueses. Nós contamos infelizmente várias vítimas portuguesas de atentados terroristas. Felizmente, não ocorreu nenhum em Portugal, mas os portugueses circulam, os portugueses residem no estrangeiro", afirmou.

Augusto Santos Silva, que se encontra numa missão de diplomacia económica em Paris, acrescentou que defende uma união "para responder apropriadamente, sempre no respeito do Estado de direito, mas responder enérgica e apropriadamente a essa que é a principal ameaça à segurança de todos".

Renato Silva, de 26 anos, está internado no centro hospitalar de Perpignan, a cerca de 850 a sul de Paris.

Encontra-se em coma induzido e com prognóstico reservado, segundo o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, que no sábado disse à Lusa que o jovem, natural da zona de Coimbra, tem uma bala alojada no cérebro.

Os ataques de sexta-feira ocorreram em Carcassonne e Trèbes, no sul de França, provocaram cinco mortos, incluindo o atacante, e 15 feridos.

O português foi baleado por Radouane Lakdim quando estava no seu carro, tendo o passageiro que se encontrava com ele morrido na sequência dos tiros do atacante, que roubou a viatura e disparou sobre militares a caminho do supermercado onde viria a fazer uma tomada de reféns.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.