Flores

Missão cumprida! Há mais 700 plantas a reflorestar Santa Cruz

Missão cumprida! Há mais 700 plantas a reflorestar Santa Cruz

 

Miguel B. Mota / Nuno Martins Neves   Regional   2 de Dez de 2017, 17:00

O concelho de “Santa Cruz e as Flores têm agora mais 733 plantas, com mais de 500 azáleas, 65 hibiscos, 11 magnólias, 13 dragoeiros, 12 cedros, entre outras espécies locais”. Esta foi a mais recente boa notícia que a Choki fez chegar ao Açoriano Oriental.

A Choki, recorde-se, é uma associação não-governamental que nasceu no remoto país asiático, Butão. Há pouco mais de um ano instalada na ilha ‘amarela’, vai honrando o compromisso de alertar a Região para a importância de articular a aposta no turismo com uma estratégia assente no desenvolvimento sustentável.

Tendo escolhido a ilha das Flores como epicentro para essa ação, o projeto de reflorestação do Parque Industrial de Santa Cruz foi só mais um exemplo de como a Choki está realmente investida em cuidar do “museu natural” dos Açores e afastá-lo da “economia primitiva do cimento e da vaca”, como disse Casey Hartnett a este jornal, em outubro último.

Na altura, Casey, um dos elementos que compõe a associação, dava conta das iniciativas levadas a cabo nas Flores; sinalizou o outdoor colocado à saída do aeroporto com a frase ‘A natureza não é um lugar para visitar, é a nossa casa’, bem como os quinze murais de Morgan Brica, a reputada muralista – que a convite - pintou para a posteridade os pássaros endógenos daquela ilha.

Hoje, o renovado motivo de orgulho para a Choki encontra razões na valorização estética imprimida no parque industrial de Santa Cruz - que, por força da dedicação de vários agentes, está agora reflorestado.

Foi um trabalho árduo, mas recompensador. Numa maratona de três dias, Câmara de Santa Cruz, voluntários da Choki, a Direção Regional dos Recursos Florestais e a Direção Regional das Obras Públicas arregaçaram mangas e, em conjunto, plantaram mais de setecentas plantas numa área equivalente a cinco campos de futebol.

Para aquela associação não-governamental foi, assim, dado mais um passo no sentido de “aumentar o valor estético local e desenvolver um ambiente comercial limpo e positivo” naquela que é uma das zonas mais movimentadas das Flores.

Quem ganha, entende, é a população e, num sentido mais amplo, a própria da Região, que se tem projetado no mundo como destino turístico sustentável. Como defende a Choki, "o esforço para restaurar jardins e embelezar áreas comuns aumentará a procura por um turismo sustentado de alta qualidade". Isto para além de representar um "grande benefício para a comunidade".

Afinal, "as ilhas são tesouros e devem ser pensadas como tais”. Nas Flores, o cofre está mais cheio, e há nele setecentos novos “diamantes” a envaidecer os florentinos e prontos a fazer brilhar o olhar daqueles que visitarem a ilha mais ocidental do arquipélago.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.