Ministra lamenta queimaduras em crianças causadas por troca de medicamento

Ministra  lamenta queimaduras em crianças causadas por troca de medicamento

 

Lusa/AO Online   Nacional   19 de Jun de 2010, 08:44

A ministra da Saúde lamentou hoje o erro médico da troca de medicamentos no Hospital Garcia da Orta, em Almada, que provocou queimaduras graves em duas crianças.

“O que aconteceu no Garcia da Orta com duas crianças é lamentável, por ter havido troca da medicação, e espero que as crianças não fiquem com lesões graves”, afirmou à agência Lusa Ana Jorge.

A ministra adiantou que a tutela não vai tomar medidas, justificando que “é ao hospital que compete analisar a situação, com o levantamento de um processo de averiguação interno”, cujas conclusões vai ficar a aguardar.

Ana Jorge falava à margem da sessão da Assembleia Municipal da Lourinhã, a que preside.

Os pais das duas crianças acusam o Hospital Garcia de Orta de erro na aplicação de um medicamento que causou queimaduras nos seus filhos, de 18 meses e 3 anos, com o hospital a reconhecer que “ocorreu um incidente”.

João Henriques explicou à Lusa que levou o seu filho, de 18 meses, ao Hospital Garcia de Orta, em Almada, na quinta feira, para realizar um exame aos ouvidos e que acabou por acontecer um erro com a administração de um medicamento.

“A doutora, em vez de administrar um medicamento para o adormecer e acalmar para fazer o exame, introduziu ácido. O medicamento foi introduzido pelo ânus, porque era amargoso”, disse, em declarações à Lusa.

Samuel Lima também levou, no mesmo dia, o seu filho de 3 anos, para efetuar um exame à audição, tendo-lhe também sido administrado o mesmo produto, pelo ânus e por via oral.

O Hospital Garcia de Orta, em comunicado, refere que “ocorreu um incidente com um medicamento habitualmente usado em circunstâncias diferentes”.

"Este acidente foi imediatamente identificado e reportado de acordo com as normas de gestão de risco hospitalar, tendo sido de pronto tomadas as medidas habituais nestas circunstâncias, nomeadamente a abertura de um inquérito interno aos acontecimentos", refere.

A administração garante que "o estado de saúde das crianças é estável" e que estas se encontram sob observação no serviço de pediatria do hospital.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.