Ministra do Mar quer definir este ano perfil do futuro Observatório do Atlântico

Ministra do Mar quer definir este ano perfil do futuro Observatório do Atlântico

 

Lusa/AO Online   Nacional   17 de Mar de 2016, 17:47

A ministra do Mar disse hoje em Faro querer, até ao final do ano, definir o perfil e a localização do futuro Observatório do Atlântico, organismo que quer lançar em conjunto com o ministério da Ciência.

 

"Tenho este ano que saber como será o Observatório do Atlântico, que conceito, que tipo de centro e onde localizar", afirmou Ana Paula Vitorino, durante uma sessão promovida na Universidade do Algarve (UAlg), sublinhando que esse trabalho deverá decorrer nos próximos meses para que, em 2017, o projeto possa concretizar-se.

Aproveitando a sua presença, o reitor da universidade algarvia, António Branco, mostrou-se disponível para acolher a sede do Observatório, desafiando a governante a instalá-lo no Algarve, por ser o "ponto mais central" na área da investigação do Mar, tendo em conta, também, a localização dos Açores.

Segundo a ministra do Mar, é preciso, contudo, definir como é que aquele Observatório "pode ser uma mais valia" sem ocupar "espaços que já estão ocupados", uma vez que o país não possui recursos humanos e financeiros para "substituir o que existe de muito bom", sendo, para isso, necessário desenvolver um trabalho em rede.

O Observatório do Atlântico pretende ser um organismo focado na área da investigação científica, que promova conhecimento e capacite recursos humanos na área da economia do mar, para afirmar o país internacionalmente neste setor.

Ana Paula Vitorino falava hoje à tarde na sala de seminários da Reitoria da UAlg, tendo também visitado, na universidade, as instalações do Centro de Ciências do Mar (CCMAR), do Centro de Investigação Marinha e Ambiental (CIMA) e da Divisão de Empreendedorismo e Transferência de Conhecimento (CRIA).

De acordo com a ministra, a economia do mar não ultrapassa, atualmente, os 2,5% do peso dentro da economia nacional, o que representa "muito pouco para tanto mar", sendo um dos objetivos do Governo duplicar esse peso até 2020.

No início do mês, a governante tinha anunciado um pacote legislativo de estímulo à economia do mar, que conta, entre outras medidas, com o lançamento do programa MAR2020, relacionado com os fundos comunitários específicos de apoio à economia do mar, e com a criação de um Fundo Azul, ao qual podem recorrer, para financiamento, investidores e empreendedores do setor.

 

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.