Metade adultos dos EUA tem aparelhos móveis e maioria usa-os para ler notícias

Metade adultos dos EUA tem aparelhos móveis e maioria usa-os para ler notícias

 

Lusa/AOonline   Economia   2 de Out de 2012, 09:41

Metade dos adultos dos Estados Unidos tem um "smartphone" ou um tablete e a maioria usa estes instrumentos para aceder a notícias, indica um estudo.

O inquérito, promovido pelo Projeto para a Excelência no Jornalismo (PEJ), do Centro de Investigação Pew, em colaboração com o grupo da revista Economist, apurou que a mudança para estes suportes tem implicações significativas para a indústria da comunicação.

Apuraram que 22 por cento dos adultos dos EUA têm um tablete, o dobro de há um ano, e outros três por cento usam um aparelho possuído por alguém que mora na casa dos inquiridos.

A percentagem dos que têm ‘smartphones’ é de 43 por cento, que comparam com os 35 por cento registados em maio do último ano.

Dos possuidores de tabletes, 64 por cento usam-nos para saber notícias pelo menos uma vez por semana, percentagem que praticamente se repete (62 por cento) entre os possuidores de ‘smartphones’.

A mesma proporção repete-se quando se inquire sobre o acesso ao correio eletrónico ou a jogos.

O estudo apurou ainda que os norte-americanos fazem mais do que ler os títulos nos seus aparelhos móveis, com 73 por cento dos que procuram notícias nos seus tabletes a lerem artigos com profundidade, pelo menos algumas vezes.

A subdiretora do PEJ, Amy Mitchell, salientou que “há provas crescentes de que os aparelhos móveis estão a aumentar, mais do que a substituir, a quantidade de notícias que as pessoas consomem”.

O inquérito apurou que 43 por cento dos possuidores de tabletes dizem que os seus aparelhos estão a aumentar a quantidade de tempo que gastam no consumo de informação e 31 por cento que estão a obter notícias de fontes a que não costumavam recorrer.

O estudo abrangeu um universo de 9.513 adultos, incluindo 4.638 proprietários de aparelhos móveis, e foi realizado de junho a agosto de 2012.

Foi ainda apurado que novos aparelhos, mais baratos, introduzidos no mercado no final de 2011, aparecem com algum relevo.

Agora, os proprietários de iPad representam 52 por cento, quando há um ano a sua representatividade ascendia a 81 por cento, e os detentores de um aparelho baseado no sistema Android os outros 48 por cento, incluindo os 21 por cento que se disseram possuidores de um Kindle Fire.

Metade dos adultos dos Estados Unidos tem um ‘smartphone’ ou um tablete e a maioria usa estes instrumentos para aceder a notícias, indica um estudo divulgado hoje, noticia a AFP.

O inquérito, promovido pelo Projeto para a Excelência no Jornalismo (PEJ), do Centro de Investigação Pew, em colaboração com o grupo da revista Economist, apurou que a mudança para estes suportes tem implicações significativas para a indústria da comunicação.

Apuraram que 22 por cento dos adultos dos EUA têm um tablete, o dobro de há um ano, e outros três por cento usam um aparelho possuído por alguém que mora na casa dos inquiridos.

A percentagem dos que têm ‘smartphones’ é de 43 por cento, que comparam com os 35 por cento registados em maio do último ano.

Dos possuidores de tabletes, 64 por cento usam-nos para saber notícias pelo menos uma vez por semana, percentagem que praticamente se repete (62 por cento) entre os possuidores de ‘smartphones’.

A mesma proporção repete-se quando se inquire sobre o acesso ao correio eletrónico ou a jogos.

O estudo apurou ainda que os norte-americanos fazem mais do que ler os títulos nos seus aparelhos móveis, com 73 por cento dos que procuram notícias nos seus tabletes a lerem artigos com profundidade, pelo menos algumas vezes.

A subdiretora do PEJ, Amy Mitchell, salientou que “há provas crescentes de que os aparelhos móveis estão a aumentar, mais do que a substituir, a quantidade de notícias que as pessoas consomem”.

O inquérito apurou que 43 por cento dos possuidores de tabletes dizem que os seus aparelhos estão a aumentar a quantidade de tempo que gastam no consumo de informação e 31 por cento que estão a obter notícias de fontes a que não costumavam recorrer.

O estudo abrangeu um universo de 9.513 adultos, incluindo 4.638 proprietários de aparelhos móveis, e foi realizado de junho a agosto de 2012.

Foi ainda apurado que novos aparelhos, mais baratos, introduzidos no mercado no final de 2011, aparecem com algum relevo.

Agora, os proprietários de iPad representam 52 por cento, quando há um ano a sua representatividade ascendia a 81 por cento, e os detentores de um aparelho baseado no sistema Android os outros 48 por cento, incluindo os 21 por cento que se disseram possuidores de um Kindle Fire.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.