Merkel defende rapidez na integração de refugiados com direito e na expulsão dos outros


 

AO/Lusa   Internacional   30 de Ago de 2015, 19:06

A chanceler alemã, Angela Merkel, defendeu este domingo a integração rápida dos refugiados com direito a ficarem no país, bem como a expulsão rápida dos requerentes a quem é recusado asilo.

 

No mesmo sentido, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, apelou aos cidadãos do país para receberem os refugiados políticos, porque “quem foge da guerra, de perseguições e tortura deve ser acolhido” em França.

“Para poder ajudar os que estão numa situação de emergência temos também que dizer aos outros que não podem ficar aqui”, declarou Merkel durante a iniciativa Dia do Governo Aberto.

É necessário dar uma resposta clara à questão de “como podemos integrar com maior rapidez nas nossas vidas aqueles que precisam de proteção e como devemos dizer também com mais rapidez aos que não têm direito a permanecer aqui que devem regressar a casa”, adiantou.

Este último é o caso de muitas pessoas vindas dos Balcãs ocidentais, assinalou.

“Tudo isto tem de ser feito rapidamente”, porque se as crianças já vão à escola e os migrantes já estão nas cidades “é muito mais difícil enviá-los para casa”, adiantou a chanceler alemã.

Segundo Merkel, a questão mais urgente agora é “que todos tenham um teto decente ou pelo menos o calor de uma tenda de campanha, agora que chegam os meses de inverno”.

Defendeu também a necessidade de uma maior solidariedade na Europa e insistiu no facto de que “o que se passa não é justo”.

A propósito referiu a pressão a que estão sujeitos a Grécia e a Itália perante a vaga migratória, sublinhando que também não é justo que “apenas três ou quatro países acolham quase todos os refugiados”.

Falando no encerramento da universidade de verão do Partido Socialista francês em La Rochelle (oeste), Manuel Valls pediu ainda ao líder da oposição, o conservador Nicolas Sarkozy, que “veja o exemplo” da sua correligionária Angela Merkel, na atitude em relação à chegada de migrantes.

“Cada pedido de asilo deve ser analisado rapidamente”, defendeu Valls, adiantando que os migrantes “devem ser tratados com dignidade, alojados e tratados” ao mesmo tempo que pedia “firmeza” contra a migração económica irregular.

O chefe do governo francês desloca-se na segunda-feira a Calais, onde se concentram muitos migrantes que tentam atravessar o canal da Mancha para chegar ao Reino Unido, para visitar os centros de acolhimento e as instalações de Eurotúnel juntamente com o vice-presidente da Comissão Europeia Frans Timmermans e o comissário da Imigração Dimitris Avramopoulos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.