SIDA

Médicos acreditam ter curado um homem com o VIH

Médicos acreditam ter curado um homem com o VIH

 

Lusa/AO online   Internacional   16 de Dez de 2010, 16:33

Uma equipa médica alemã acredita ter curado um homem infectado com o vírus da sida, após um transplante de medula óssea para tratar uma leucemia de que também sofria.
"Os nossos resultados sugerem que o paciente se curou do VIH, indicam os autores do estudo publicado na edição de Dezembro da revista científica Blood.

Timothy Ray Brown, um americano de cerca de 40 anos, também conhecido como o "paciente de Berlim", foi submetido em 2007 a um complicado tratamento para combater uma leucemia mielóide aguda, um tipo de cancro que afecta o sistema imunitário.

O tratamento incluiu um transplante de células estaminais de um doador portador de um gene hereditário pouco comum, associado à redução do risco de contrair o VIH.

Os médicos, liderados por Kristina Allers e Gero Hutter do Hospital Médico Universitário de Berlim, seleccionaram células estaminais sem o receptor CCR5, necessário para que o vírus se propague no organismo.

Antes do transplante, Brown recebeu altas doses de quimioterapia e radioterapia e deixou de tomar os anti-retrovirais contra o VIH. Treze meses mais tarde, o doente teve uma recaída de leucemia e foi submetido a um novo transplante de medula com células do mesmo doador.

O caso foi relatado pela primeira vez durante uma conferência em Boston em 2008 pelos médicos que aplicaram o tratamento proposto pelo médico Gero Huetter. Em 2009, o New England Journal of Medicine noticiava que após 20 meses sem tomar os anti-retrovirais não havia sinais do VIH e o artigo agora publicado no Blood assegura que, três anos depois do transplante, "o seu sistema imunitário recuperou uma saúde normal".

Os médicos continuam a observar a evolução do paciente, mas acreditam que este caso poderia abrir o caminho para uma cura permanente do VIH através de células estaminais geneticamente modificadas.

No entanto, especialistas advertem que se trata de uma terapia muito cara e arriscada, que não se pode aplicar a todos os pacientes e não é uma cura definitiva para a sida.

Michael Saag, da Universidade de Alabama em Birmingham, nos EUA, disse à CNN que "é uma prova interessante sobre como medidas extremas podem levar à cura do VIH". Mas considerou que "é demasiado arriscada para se converter numa terapia comum".

Recordou que as células usadas no caso de Timothy Ray Brown eram provenientes de um doador com uma mutação genética pouco frequente, pelo que seria muito difícil encontrar doadores compatíveis. Além disso, advertiu, um tratamento tão agressivo só se justifica em casos como o de Brown, que além do VIH tinha cancro.

A revista Blood é uma publicação da Sociedade Americana de Hematologia. Segundo a ONU, 33,3 milhões de pessoas em todo o mundo vivem hoje com o VIH.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.