Medicina Legal vai pedir reuniões à SATA, secretário da Saúde dos Açores e comandante das Lajes

Medicina Legal vai pedir reuniões à SATA, secretário da Saúde dos Açores e comandante das Lajes

 

Lusa/AO Online   Regional   4 de Ago de 2017, 10:15

O presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) vai solicitar reuniões à SATA, secretário regional da Saúde dos Açores e comandante da base das Lajes para assegurar a deslocação prioritária de peritos médicos entre ilhas.

A informação consta num esclarecimento enviado à agência Lusa pelo INMLCF e surge na sequência da denúncia feita na quarta-feira pelo CDS-PP de que um corpo estava há dez dias a aguardar autópsia na ilha de São Jorge.

Segundo o esclarecimento do instituto, a autópsia ao cadáver foi requerida pelo Ministério Público a 27 de julho e “ainda não foi feita por impossibilidade de transporte de um médico-legista” para a ilha, mas será realizada hoje “graças à possibilidade de marcação de viagem do profissional indispensável para os procedimentos”.

“Perante esta situação e para que não se volte a repetir, o presidente do INMLCF irá requerer reuniões com o conselho de administração da SATA, com o sr. comandante da base aérea e com o sr. secretário regional da Saúde com vista a assegurar a deslocação prioritária de peritos médicos e técnicos entre ilhas”, adianta o instituto.

O CDS-PP denunciou na quarta-feira que um corpo aguardava há dez dias por uma autópsia na ilha de São Jorge, tendo entregado um requerimento no parlamento regional a pedir explicações ao executivo açoriano.

“O corpo está no centro de saúde da Calheta há dez dias. É de um senhor que era emigrante nos Estados Unidos da América e que estava a passar férias com a mulher e o filho. No dia 24 de julho, foi pescar, sentiu-se mal e acabou por morrer”, afirmou na ocasião a deputada do CDS-PP no parlamento dos Açores Catarina Cabeceiras.

Segundo Catarina Cabeceiras, “é recorrente as pessoas estarem à espera de médicos de medicina legal para a realização de autópsia a familiares”.

Ainda nesse dia, fonte oficial do Ministério da Justiça disse que o Ministério Público informou no dia 27 de julho o INMLCF que “queria a autópsia” e, “desde esse dia, o médico-legista está à espera de voo para São Jorge para realizar a autópsia".

Num esclarecimento emitido pouco depois, o Governo Regional assegurou que a transportadora aérea SATA garantiu lugar para o médico-legista realizar a autópsia em São Jorge, mas a solução não foi utilizada pelo INMLCF.

Nessa nota, a Secretaria Regional da Saúde explicou que no dia 28 de julho foi solicitado por aquele instituto “o apoio do Governo dos Açores no sentido de fazer chegar à ilha de São Jorge o médico-legista a fim de se proceder à realização da referida autópsia”.

“Face a esta solicitação, e em articulação com o grupo SATA, foram desenvolvidos esforços nesse sentido e, neste mesmo dia, assegurados pela SATA lugares num voo do dia seguinte de Ponta Delgada para o Pico, assim como a posterior ligação, por via marítima, para a ilha de São Jorge”, adiantou a secretaria tutelada por Rui Luís.

Segundo o mesmo esclarecimento, “esta solução não foi, porém, utilizada” pelo INMLCF, “entidade que já no início desta semana voltou a solicitar o apoio do Governo dos Açores para fazer chegar um médico-legista” a São Jorge.

“Face a esta nova solicitação, o Governo dos Açores voltou a apresentar uma solução ao Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses que garante a deslocação de um médico-legista à ilha de São Jorge”, explicou no esclarecimento, acrescentando que a autópsia é realizada hoje.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.