Más condições socioeconómicas provocam a perda de 2 anos de vida

Más condições socioeconómicas provocam a perda de 2 anos de vida

 

Lusa/Açoriano Oriental   Ciência   1 de Fev de 2017, 10:48

Viver em condições socioeconómicas más provoca a perda de dois anos de vida, quase tanto quanto o sedentarismo, segundo um estudo divulgado na quarta-feira pela revista médica britânica The Lancet.

Ao rever 48 estudos efetuados nos EUA, na Austrália e em vários países europeus, os investigadores descobriram que as más condições socioeconómicas – como um trabalho subqualificado ou um fraco nível de instrução – podem reduzir a esperança de vida média em 2,1 anos.

O tabagismo é, por sua parte, associado a uma perda de esperança de vida de 4,8 anos, o diabetes de 3,9 anos e o sedentarismo de 2,4 anos.

O estudo foi realizado no quadro do projeto Lifepath, consagrado ao envelhecimento e financiado pela Comissão Europeia.

“Sabemos que a educação, o rendimento e o trabalho afetam a saúde, mas poucos estudos têm avaliado as suas importâncias”, explicou Mika Kivimaki, da University College de Londres, que participou no estudo.

Os investigadores sublinharam que as condições socioeconómicas podem ser modificadas por políticas locais, nacionais ou internacionais e que o impacto destas mudanças na esperança de vida pode ser mais importante que as ajudas a deixar de fumar ou o aconselhamento dietético.

Estas últimas intervenções aproveitam mais às pessoas privilegiadas.

“O estatuto socioeconómico é importante, porque é o resumo de uma exposição, durante toda a vida, a condições e comportamentos perigosos”, destacou, por seu lado, Paolo Vineis, o chefe do projeto Lifepath.

O objetivo do Lifepath é compreender os mecanismos biológicos através dos quais as desigualdades sociais geram desigualdades no campo da saúde.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.