Liga Europa

Marítimo volta a perder com o BATE Borisov

Marítimo volta a perder com o BATE Borisov

 

Lusa/AOnline   Futebol   26 de Ago de 2010, 21:10

O Marítimo voltou a perder com o BATE Borisov, agora por 2-1, no Funchal, depois do 3-0 sofrido no jogo da primeira mão, na Bielorrússia, e foi eliminado da Liga Europa de futebol
A equipa madeirense revelou incapacidade para virar o resultado negativo trazido da Bielorrússia na semana passada e acabou por pagar a fatura diante de um conjunto experiente, que geriu bem o resultado volumoso conseguido em casa.

Nos primeiros minutos, o conjunto madeirense deu a sensação de que poderia lutar pela qualificação para a fase de grupos da Liga Europa, mas cedo a equipa orientada por Van der Gaag mostrou insuficiências e esbarrou no futebol mais objectivo e acutilante do adversário.

Logo no primeiro minuto, o árbitro da partida perdoou uma grande penalidade ao BATE Borisov, num lance em que Danilo Dias tomou a iniciativa de rematar com a bola a ser desviada com a mão de um defesa bielorrusso.

Apesar de precisarem de marcar golos, os madeirenses foram pouco ofensivos e nas poucas vezes que se acercaram da baliza de Gutor fizeram-no sempre de forma displicente, com os lances a enfermarem de esclarecimento.

O único lance de verdadeiro perigo criado pelo Marítimo na primeira parte aconteceu, aos 34 minutos, quando o franco-argelino Cherrad, servido por Danilo Dias, ficou em posição de remate, mas fê-lo de forma deficiente, com a bola a sair ao lado do poste esquerdo de Gutor.

O BATE, mais interessado em explorar a vantagem e fazer passar o tempo, apostou sempre no contra-ataque, conseguindo perturbar em dois lances a equipa madeirense, com Radionov e Kontsevoi em plano de destaque.

Com o “nulo” com que as duas equipas atingiram o intervalo, esperava-se um Marítimo mais acutilante no segundo tempo, mas a falta de ideias voltou a pautar o jogo dos insulares, sempre incapazes de contrariar a melhor organização e experiência do adversário do Leste.

Aos 51 minutos, Marquinho entendeu-se bem com Baba, mas o remate do brasileiro levou a direcção da malha lateral

No minuto seguinte, o BATE Borisov chegou à vantagem, por intermédio de Pavlov, num lance em que Marcelo conseguiu suster um primeiro remate, mas viu-se batido no segundo.

Mitchell Van der Gaag apostou então nas entradas de Adilson e Kanú, na tentativa de remediar a fraca produção ofensiva da sua equipa, numa altura em que o descrédito se apoderara da equipa madeirense.

Sem deixar de lutar pelo resultado, o Marítimo passou a denotar resignação, uma vez que o resultado já não permitia sonhar com a qualificação.

Se colectivamente as coisas não funcionavam, Danilo Dias, aos 74 minutos, tratou de resolver sozinho um lance pela esquerda, com duplo remate, mas com a bola a sair ao lado da baliza de Gutor.

O BATE, por sua vez, geria a seu belo prazer o jogo como mais lhe convinha, perante a desorganização do Marítimo, incapaz de criar um lance com princípio, meio e fim.

Os últimos 25 minutos do jogo foram passados numa toada lenta, tediosa e pouco atrativa, com o Marítimo entregue à sua sorte, enquanto o adversário geria o esforço e o calor intenso.

Contudo, aos 90 minutos, o Marítimo chegou à igualdade: Marquinho cruzou na direita e Kanú surgiu sobre a linha a fazer o golo.

Já em período de compensação concedido pelo árbitro, o BATE chegou à vitória, com Skavysh, em posição de remate, a bater Marcelo pela segunda vez.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.