Mário Cruz espera dar visibilidade às crianças escravizadas


 

Lusa/AO online   Nacional   16 de Abr de 2016, 17:03

O fotojornalista Mário Cruz da agência Lusa, que venceu o Prémio de Fotojornalismo Estação Imagem Viana do Castelo, acredita que o seu trabalho vai dar "visibilidade" à realidade das crianças escravizadas no Senegal e Guiné-Bissau.

 

"Tenho a certeza que esta distinção contribuirá para dar visibilidade a estas crianças que já há demasiado tempo são ignoradas, não só pela sociedade senegalesa mas por toda a comunidade internacional", afirmou o fotojornalista, de 28 anos.

Mário Cruz falava à Lusa no final da cerimónia de atribuição dos prémios da sétima edição do prémio que decorreu hoje no teatro municipal Sá de Miranda, em Viana do Castelo.

A reportagem intitulada "Talibés, escravos contemporâneos" retrata os "talibés", as crianças que são escravizadas e torturadas nas escolas islâmicas do Senegal e Guiné-Bissau e já foi premiado pelo World Press Photo.

A ideia de realizar o trabalho surgiu em 2009 quando estava na Guiné-Bissau a cobrir as eleições presidências.

Na altura, ouviu "histórias de crianças que estavam a desaparecer e a serem levadas para o Senegal para serem escravas". Investigou e, entre maio e junho de 2014, "tirou licença sem vencimento" para poder "documentar essa realidade".

Afirmou que "graças a esta, e a outras distinções o governo do senegalês já assumiu o compromisso de realizar uma campanha que vai percorrer o país todo para alertar para o que se está a passar".

Na categoria foto do ano, a novidade da sétima edição do Prémio Estação Imagem, o vencedor foi o galego Gabriel Tizón, com uma fotografia captada no campo de Moria, na ilha de Lesbos, na Grécia.

"Em termos pessoais este prémio é importante para me dar ânimo para continuar a trabalhar em tempos difíceis. Também é importante pelo tema, pelas pessoas que fotografei para que seja dada a conhecer a sua situação", sustentou à Lusa o fotógrafo galego.

Para o presidente do júri, Aidan Sullivan, vice-presidente da Getty Images e presidente do júri do World Press Photo 2012, as fotografias em concurso são "de grande qualidade e ao nível do melhor que se faz em todo o mundo.

"Sou júri em muitos prémios em todo o mundo e devo dizer que não sabia o que me esperava. Alguns trabalhos superaram, em muito, a minhas melhores expectativas. Foi muito difícil escolher", salientou.

João Silva, fotojornalista do jornal New-York Times, que também integrou o júri, classificou como "super impresssionante" o nível do fotojornalismo português.

"É de nível internacional. Gostei muitos dos trabalhos e não foi fácil. Foi uma grande experiência", sustentou, destacando a importância do Prémio Estação Imagem Viana "para dar relevo ao fotojornalismo, que se faz cada vez menos, por causa do problema económico que afeta a imprensa".

O diretor do Prémio, Luís Vasconcelos, destacou "a coincidência de alguns dos vencedores serem profissionais que recentemente foram despedidos e caíram nas malhas do desemprego, fruto do desinvestimento e consequente crise que afeta o panorama jornalístico".

Este ano o prémio Estação Imagem registou a participação de 200 fotojornalistas, o que, segundo a organização, representa "a quase totalidade dos profissionais portugueses da área", e que apresentaram a concurso 336 reportagens e mais cerca de uma centena de candidaturas à bolsa e à foto do ano.

O prémio tem como parceiro principal a Câmara Municipal de Viana do Castelo.

O presidente José Maria Costa sublinhou a "elevada qualidade" dos trabalhos e dos temas abordados "muito atuais e que inquietam as consciências", e destacou a importância do fotojornalismo.

"Infelizmente, hoje não se dá tanta atenção quanto se devia. A capacidade, a arte, a sensibilidade destes artistas que conseguem, numa imagem, exprimir, sentimentos, poesia, drama. Foi uma galeria de arte que hoje tivemos aqui ao vivo", disse.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.