Marcelo considera que divergência entre BE e Governo não põe em causa estabilidade

Marcelo considera que divergência entre BE e Governo não põe em causa estabilidade

 

Lusa/AO online   Nacional   28 de Nov de 2017, 16:43

O Presidente da República considerou esta terça-feira que a divergência entre BE e Governo no debate orçamental não põe em causa a estabilidade e reiterou a convicção de que a legislatura vai até ao fim.


Em declarações aos jornalistas no Terreiro do Paço, em Lisboa, antes de um passeio de elétrico com a Presidente da Confederação Suíça, Marcelo Rebelo de Sousa disse que o que se passou no debate do Orçamento do Estado para 2018 entre BE e Governo não o preocupa.

"Não me preocupa. Há duas coisas diferentes. Uma coisa é, realmente, o pluralismo, a divergência, os debates parlamentares ou fora do parlamento. Isso tem de ser, são vivos, faz parte da essência da democracia. Outra coisa é pensar que não haverá, no essencial, na fórmula de apoio ao Governo, a estabilidade suficiente para durar a legislatura", declarou.

O chefe de Estado desvalorizou "essa vivacidade ou intensidade dos debates", neste caso concreto entre BE e Governo, e acrescentou: "Eu continuo a pensar que a legislatura vai até ao fim".

O Presidente da República referiu que já foram aprovados três dos quatro orçamentos desta legislatura, "falta votar um só", no próximo ano.

"É verdade que é aquele que antecede as duas eleições [europeias e legislativas de 2019], mas, precisamente por isso, é aquele que ninguém está a ver que venha a provocar um problema pré-eleitoral antecipado", sustentou.

Nestas declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a considerar que este Orçamento do Estado foi "o mais complicado de elaborar", porque já depois da sua entrega "houve uma tragédia", e reafirmou que levará mais tempo a analisar o diploma.

O Presidente salientou que, por causa das medidas de resposta aos incêndios, "o Orçamento teve de ser mudado em pontos importantes, incluindo no défice", tornando "mais complexa a elaboração, até mesmo à votação final global" e, consequentemente, "um bocadinho mais trabalhosa a análise do documento".

"Precisarei de mais tempo entre o momento da chegada e o momento da promulgação. Mas, quanto mais depressa chegar, mais rapidamente estarei em condições de decidir sobre a promulgação", afirmou.

Na segunda-feira, a deputada do BE Mariana Mortágua acusou os socialistas de deslealdade e de cederem ao "poder das elétricas", voltando com a palavra atrás ao mudar o seu sentido de voto e chumbar uma nova taxa sobre as empresas de energias renováveis.

"Quando era preciso um primeiro-ministro com 'nervos de aço' para responder às empresas que pretendem manter rendas de privilégio, o Governo falhou", lamentou Mariana Mortágua.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.