Mão Morta atuaram pela primeira vez em Ponta Delgada

Cultura e Social /
Loading the player...

1126 visualizações   

Adolfo Luxúria Canibal, em entrevista ao Açoriano Oriental, fala dos seus mais de 30 anos de espetáculos
 

Os Mão Morta lançaram muito recentemente um disco duplo em parceria com o Remix Ensemble da Casa da Música. Em que contexto é que surgiu esta parceria?

Isto começou por um convite do Theatro Circo, uma sala de espetáculos de Braga, que queria encerrar as comemorações do seu centésimo aniversário (...) e perguntou se os Mão Morta, que são a banda mais relevante de Braga, faziam um espetáculo especial. Nós sugerimos porque não fazer um espetáculo com o Remix Ensemble?Sugerimos de imediato o Remix Ensemble porque andávamos a matutar nisso desde 2012, ano em que fizemos um espetáculo de comunidade de encerramento da capital europeia da cultura em Guimarães.

A preparação do espetáculo foi longo, demorou três anos sensivelmente, mas na sua fase final o maestro que acabou por conduzir a orquestra - a orquestra das Beiras - era o inglês Peter Bergamin, com quem nos demos muito bem. É um maestro habituado a espetáculos de comunidade, a conduzir não só orquestras sinfónicas clássicas, mas também orquestras e agrupamentos da música contemporânea, e que tem um passado ligado ao punk e ao hardcore. Ao falar com ele encontramo-nos praticamente em casa.

 

Leia esta entrevista na íntegra no jornal Açorioano Oriental de sábado 8 de abril de 2017