Mais de 10 milhões de euros em linhas de crédito para turismo na Madeira

Mais de 10 milhões de euros em linhas de crédito para turismo na Madeira

 

LUSA/AO Online   Economia   14 de Ago de 2016, 15:16

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, anunciou hoje que as linhas de crédito para apoiar o turismo na Madeira na sequência dos incêndios vão ultrapassar os dez milhões de euros, entrando em funcionamento já na próxima semana.

Manuel Caldeira Cabral falava aos jornalistas durante uma visita que realizou durante a manhã de hoje ao Funchal, Madeira, para ver no terreno os impactos dos incêndios que assolaram a região nos últimos dias, tendo adiantado os valores relativos às linhas de crédito do Turismo de Portugal, que assegura ser "um regime muito simplificado". "Está ainda a ser feito o apuramento, mas estamos a falar de mais de uma dezena de milhões de euros, um montante elevado, mas entre os vários instrumentos temos que ver qual é o montante necessário, mas para isso também é preciso esse apuramento das perdas", explicou. Segundo o ministro da Economia, o Governo da República quer "pôr as linhas de crédito a funcionar não nesta semana ainda, mas na próxima semana", estando assim "disponível o financiamento às empresas", o que é "muito importante para a rapidez de resposta". "Poderá haver outros apoios mais complexos e apoios mais fortes que serão mais complicados e que demoram mais tempo até porque, envolvendo fundos comunitários e outro tipo de fundos, têm necessidades de report diferentes", antecipou. Caldeira Cabral descreveu as características destas linhas de crédito, que "permitem prazos de financiamento muito alargados", com "um período de carência em que não se tem que pagar nada durante três anos", havendo "juros muito mais baixos do que o normal porque 75% é coberto pelo Turismo de Portugal" e "prazos de pagamento de 10 anos". O ministro quer assim que o "processo não se arraste e não se perca pelo meio postos de trabalho ou haja empresas que fechem". Caldeira Cabral fez questão de "elogiar o trabalho feito pelas várias equipas de hotelaria", tendo dado nota de que "houve hotéis em que até os funcionários se ofereceram para os turistas irem para casa deles". "As pessoas que vêm para cá, vêm para uma Madeira normalizada, em que tudo está a funcionar bem", disse. O ministro começou a manhã a visitar o Castanheiro Boutique Hotel, que foi evacuado na terça-feira, seguindo depois para os Bombeiros Municipais e o Regimento de Guarnição Número 3, tendo falado aos jornalistas no hotel Quinta Jardins do Lago, que também teve que deslocar os seus hóspedes - e o Colombo, uma tartaruga dos galápagos com mais de 50 anos que é a estrela da unidade hoteleira - uma vez que as chamas ameaçaram o espaço. O presidente da Câmara do Funchal, Paulo Cafôfo, referiu que "todo o potencial turístico do Funchal se mantém intacto e inalterado". "Nós temos tido números de excelência e aquilo que se quer é continuar este crescimento. Este ano, em 2016, aquilo que estava previsto era batermos recordes em relação ao excelente ano de 2015 e com certeza isso irá continuar, com apoio da República", sublinhou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.