Mais de 1,2 milhões de adolescentes morrem anualmente de causas em grande parte evitáveis


 

Lusa/AO Online   Internacional   16 de Mai de 2017, 08:28

Mais de 3.000 adolescentes morrem todos os dias em todo o mundo, num total de 1,2 milhões de mortes por ano, de causas quase todas evitáveis, segundo um novo relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) hoje divulgado.

Acidentes rodoviários, infeções respiratórias e suicídio são as maiores causas de morte entre os adolescentes, refere o relatório, sublinhando que mais de dois terços das mortes de adolescentes em 2015 ocorreram em países de baixo e médio e rendimento em África e no sudeste asiático.

Os dados do relatório "Ação Global Acelerada para a Saúde dos Adolescentes: Orientações para apoiar a implementação nacional" revelam diferenças acentuadas nas causas de morte quando se separam os grupos de adolescentes por idade (entre 10-14 anos e 15-19 anos) e por sexo.

Em 2015, os acidentes rodoviários foram a principal causa de morte nos adolescentes entre os 10 e os 19 anos, resultando aproximadamente em 115 mil mortes. Os adolescentes com idades entre 15 a 19 anos foram os que sofreram o maior número de acidentes.

Analisando as causas de mortes por regiões, as diferenças são, segundo o relatório, ”gritantes”. Nos países de baixo e médio rendimento em África, as maiores causas de morte são as doenças transmissíveis como o VIH/Sida, as infeções respiratórias, a meningite e as doenças diarreicas.

Também o retrato das meninas difere completamente, refere o relatório, adiantando que a principal causa de morte nas adolescentes entre os 10 e 14 anos são as infeções respiratórias, como a pneumonia - muitas vezes em resultado da poluição do ar interior gerada por combustíveis sujos usados nas cozinhas.

Nas meninas entre os 15 e os 19 anos são as complicações decorrentes de abortos inseguros.

O suicídio e a morte acidental por automutilação foram a terceira causa de mortalidade nos adolescentes em 2015, resultando em cerca de 67.000 mortes.

“A automutilação ocorre em grande parte entre os adolescentes mais velhos e, globalmente, é a segunda principal causa de morte entre as adolescentes mais velhas”, sendo a principal ou a segunda causa de morte de adolescentes na Europa e no sudeste Asiático.

O relatório, realizado em parceria com várias organizações, como a Unicef, defende que a maioria destas mortes pode ser evitada com serviços de saúde, educação e apoio social.

A diretora-geral da OMS para a Saúde da Família, Flavia Bustreo, afirma que “os adolescentes têm estado totalmente ausentes dos planos nacionais de saúde há décadas".

"Investimentos relativamente pequenos focados em adolescentes, não só resultarão em adultos saudáveis e capacitados, que prosperam e contribuem positivamente para suas comunidades, como em gerações futuras mais saudáveis, produzindo enormes retornos", defende Flavia Bustreo.

Para o diretor da Saúde Materna da OMS, Anthony Costello, “melhorar a forma como os sistemas de saúde servem os adolescentes é apenas uma parte para melhorar a saúde".

"Os pais, as famílias e as comunidades são extremamente importantes, pois têm o maior potencial para influenciar positivamente o comportamento e a saúde dos adolescentes", sublinha Anthony Costello.

Segundo o documento, as necessidades de saúde dos adolescentes intensificam-se em contextos humanitários e frágeis.

“Os jovens muitas vezes assumem responsabilidades de adultos, incluindo cuidar de irmãos ou trabalhar, e podem ser obrigados a abandonar a escola, casar cedo ou envolver-se em sexo transacional para atender às suas necessidades básicas de sobrevivência”, sublinha o relatório.

Como resultado, sofrem de má nutrição, lesões não intencionais, gravidez, doenças diarreicas, violência sexual, doenças sexualmente transmissíveis e problemas de saúde mental.

Para “reduzir drasticamente” estas mortes, o relatório recomenda programas de saúde de adolescentes, incluindo a educação sexual nas escolas, limites de idade mais elevados para consumo de álcool, exigir cintos de segurança e capacetes, reduzir o acesso e o uso indevido de armas de fogo.

Diminuir a poluição do ar interior através de combustíveis de cozinha mais limpos, aumentar o acesso a água potável, saneamento e higiene, são outras medidas propostas.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.