Maioria dos gregos continua a apoiar plano de austeridade do governo


 

Lusa / AO online   Internacional   14 de Mar de 2010, 12:32

A maioria dos gregos continua a apoiar a politica de rigor do governo socialista, mesmo se a consideram injusta, indica uma sondagem publicada hoje no jornal grego Ethnos.

Segundo esta sondagem, realizada pela sociedade Marc junto de 1.008 pessoas entre 8 e 10 de março, 48 por cento dos gregos afirmam sentir “ira e deceção” face às medidas de rigor, contra 16,7 por cento que opta pela “compreensão”, enquanto 19 por cento se declara “inquieta” com o futuro contra 16 por cento que espera um “novo arranque” para o país.

Cerca de 66 por cento dos entrevistados considera “injusto” o conjunto de medidas adotado no início de março.

Mas para um grego em seis, o governo não tinha escolha e para 50 por cento dos entrevistados o plano de austeridade vai “na boa direção”.

O plano de austeridade combinado com a “vigilância do país pela União Europeia” deverá para 53,7 por cento das pessoas interrogadas permitir ao país sair da crise.

A maioria dos entrevistados é a favor de uma resposta sindical moderada: para 40 por cento os sindicatos devem “procurar a paz social” e para 35 por cento “exprimir a oposição mas sem impulsionar vivas reações sociais”.

No entanto, um quinto dos questionados defende “um levantamento geral para obter a abolição das medidas”.

Apesar das críticas quotidianas na imprensa aos parceiros europeus, acusados de falta de solidariedade e de exagerar no rigor, 64 por cento dos entrevistados considera que o país deve continuar a negociar a saída da crise no âmbito europeu.

Apenas 17,5 por cento dos inquiridos defende o recurso ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

As sondagens das últimas semanas mostram que apesar das fortes inquietações dos gregos face à austeridade o governo tem o apoio da maioria da opinião pública.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.