Maior sindicato promete mais contestação contra reforma do sistema de pensões

Maior sindicato promete mais contestação contra reforma do sistema de pensões

 

Lusa   Internacional   24 de Out de 2010, 21:46

O secretário geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT), Bernard Thibault, afirmou hoje que a contestação à reforma do sistema de pensões irá continuar mesmo que a lei seja definitivamente adotada e pediu ao Presidente Sarkozy que abra negociações

“A mobilização vai continuar”, assegurou o responsável numa entrevista hoje divulgada pela estação de televisão 'France 5', na qual apelou ao Presidente francês, Nicolas Sarkozy, para que não promulgue a lei – que será votada no Parlamento na próxima semana – e recordou que o objetivo último é “a abertura de negociações com os sindicatos sobre o futuro das pensões”.

O líder do maior sindicato francês argumentou que “ninguém pode pensar que a adoção de uma lei num tema como este possa acabar com o debate” que, prometeu, “vai continuar enquanto se mantiver o descontentamento” entre a população.

O Senado votou na sexta feira passada o texto legislativo que aumenta a idade da reforma em dois anos: de 60 para 62 anos a voluntária e dos 65 para os 67 anos para uma pensão completa até serem atingidos os anos obrigatórios de descontos (41,5 anos de acordo com a nova lei).


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.