Justiça

Mãe tentou agredir em tribunal rapaz que matou a filha


 

Lusa/AO online   Nacional   2 de Set de 2010, 18:15

A mãe da jovem que foi assassinada e atirada dentro de um carro a uma ravina da Barragem de Fagilde tentou esta quinta-feira agredir o alegado autor do crime, durante a primeira sessão de julgamento.
Durante a tarde, Paula Fulgêncio prestou declarações na qualidade de assistente, aproveitando o microfone com tripé do Tribunal de Viseu para tentar agredir o arguido.

No final do seu depoimento, agarrou no microfone com tripé que atirou em direcção a David S., acabando por acertar no ombro de um agente da PSP que estava colocado entre o arguido e Paula Fulgêncio.

Na sala de audiência gerou-se alguma confusão, que obrigou ainda a que fosse retirado um familiar da vítima. O incidente não ficou registado em acta.

Paula Fulgêncio disse ao tribunal que considerava que a filha e o arguido mantinham um namoro “normal” e que “jamais” imaginava um desfecho destes.

No entanto, revelou que nos últimos três meses, a filha dava mostras de estar saturada da relação que mantinha, tendo mesmo confessado que se sentia sufocada e que o curso de Comunicação Social era prioridade.

“A minha filha estava farta dele, ele controlava-a, não a deixava respirar”, sustentou, acrescentando ainda que “não gostava da maneira de ser dele (David) pois não tinha maneiras, nem sabia estar”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.