Macron promete reconstruir Saint Marteen e reforça segurança na ilha

Macron promete reconstruir Saint Marteen e reforça segurança na ilha

 

Lusa/AO online   Internacional   13 de Set de 2017, 16:41

O Presidente francês, Emmanuel Macron, prometeu hoje reconstruir a ilha de Saint Marteen e diversificar a sua economia, muito dependente do turismo, no final de sua visita à ilha das Antilhas devastada pelo furação Irma.

Macron passou esta noite na parte francesa deste arquipélago e hoje desloca-se a São Bartolomeu (St. Barthélemy) -- outra ilha francesa afetada pelo Irma -- com o seu ministro da Saúde, que alertou para a eventual propagação de doenças após o colapso dos sistemas de fornecimento de água, eletricidade e comunicações.

Numa resposta às críticas sobre a alegada incapacidade do seu Governo em adotar todas as medidas necessárias para enfrentar o Irma, Macron prometeu retirar os residentes mais afetados nesta ilha francesa e fornecer assistência e abrigo aos que optarem por permanecer.

"Vimos que as pessoas estão determinadas a reconstruir e regressar a uma vida normal", disse Macron na terça-feira. "Estão impacientes por respostas e alguns estão muito, muito zangados. A revolta é legítima porque é o resultado do medo que enfrentaram e por estarem muito cansados. É certo que alguns pretendem abandonar a ilha, e vamos ajudá-los nesse esforço", adiantou.

Hoje, Macron, anunciou o envio de 1.000 agentes suplementares das forças de segurança para a parte francesa da ilha franco holandesa de Saint Marteen (Saint Martin), que se vão juntar aos 2.000 já presentes no terreno para evitar as pilhagens registadas à passagem do furacão, e disse que esse reforço, que inclui guardas, polícias e pessoal da proteção civil, está concluído até ao final da semana.

O chefe de Estado francês insistiu ainda que os esforços da administração se estão a concentrar "no regresso a uma vida normal na ilha, tão normal quanto possível".

De acordo com os números oficiais, a passagem do furação Irma pela parte francesa de St. Martin causou 11 mortos e vários desaparecidos.

Segundo a contagem da agência France Presse, o Irma fez 27 mortos nas Antilhas, 14 das quais em Saint Marteen, 10 em Cuba e dois na Florida.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.