Macedo diz que demissão tem como fundamento "convicções pessoais e políticas"


 

AO/Lusa   Nacional   16 de Nov de 2014, 19:34

O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, disse que esta decisão teve como fundamento as suas "convicções pessoais e políticas" e por entender que a sua autoridade política ficou diminuída.

 

“Apesar de não ter qualquer responsabilidade pessoal no que está a ser investigado, não desconheço que no plano político as coisas se passam de maneira diferente e são de natureza distinta os critérios da tomada de decisão”, referiu Macedo, numa declaração lida no Ministério da Administração Interna.

Várias pessoas próximas de Miguel Macedo, como o presidente do Instituto de Registos e Notariado, António Figueiredo, estão a ser investigados no âmbito da Operação Labirinto, que visa alegados casos de corrupção na atribuição de vistos 'gold'.

“O ministro da Administração Interna pelas funções que exerce em áreas de especial sensibilidade e exigência tem de ter sempre uma forte autoridade para exercício pleno e eficaz das suas responsabilidades. É essa autoridade que politicamente entendo ter ficado diminuída e um ministro nesta pasta não pode ter nunca a sua autoridade diminuída”, reforçou.

“Esta é uma decisão com exclusivo fundamento nas minhas convicções pessoais e políticas e só a estas devo obediência”, salientou na mesma declaração.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.