Lucros da Galp sobem para 135 milhões no primeiro trimestre

Lucros da Galp sobem para 135 milhões no primeiro trimestre

 

Lusa/AO online   Economia   27 de Abr de 2018, 09:26

Os lucros da Galp, no primeiro trimestre deste ano, aumentou 74%, para 135 milhões, face aos 77 milhões registados em igual período do ano passado, sobretudo impulsionados pelos projetos no Brasil, segundo dados divulgados esta sexta-feira pela empresa.

"A evolução da produção de petróleo e gás aliada à recuperação das cotações do crude, ao foco na performance operacional e ao rigor na execução dos investimentos permitiu que o resultado líquido ajustado da Galp no primeiro trimestre tenha progredido em €57 milhões, totalizando €135 milhões", explica a petrolífera num comunicado divulgado à Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM).

Já os resultados antes de impostos, juros, apreciações e amortizações (EBITDA RCA) fixaram-se em 455 milhões, mais 67 milhões do que no período homólogo.

Segundo os dados comunicados à CMVM, "as operações de upstream e, em particular, o desenvolvimento dos projetos Lula e Iracema [no Brasil], entre os campos de maior crescimento do mundo, foram o grande motor de crescimento dos resultados da Galp no primeiro trimestre de 2018, compensando a menor contribuição da atividade de refinação, afetada pela descida das margens de referência nos mercados internacionais", adianta a empresa.

A produção média de petróleo da Galp aumentou 18% no primeiro trimestre deste ano e consolidou-se acima dos 100 mil barris, mais 16 mil do que em período homólogo, segundo os resultados hoje divulgados.

De acordo com o comunicado, o principal contributo para este aumento veio da última unidade flutuante a entrar em operação na região do pré-sal da bacia de Santos, no Brasil.

Isto significa que a petrolífera portuguesa tem neste momento todas as suas sete unidades no Brasil a funcionar à sua máxima capacidade, compensando a diminuição da produção em Angola, que irá beneficiar da entrada em funcionamento, ainda este ano, segundo a Galp, de uma nova unidade de produção na área de Kaombo Norte,

Na área de gás e eletricidade, a falta de oportunidades de comercialização de gás natural e gás natural liquefeito nos mercados internacionais (-13%) foi apenas parcialmente coberta pelo aumento das vendas a clientes diretos (+7%), o que, em termos agregados, se traduziu numa diminuição de 2% das vendas totais de gás natural.

O investimento da Galp no primeiro trimestre deste ano totalizou 146 milhões, dos quais 80% foram alocados a atividades de exploração e produção.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.