'Low cost' já provocaram "dinâmica nova" aos Açores

'Low cost' já provocaram "dinâmica nova" aos Açores

 

Lusa / AO online   Regional   21 de Jun de 2015, 13:31

A entrada de 'low cost' nos Açores, em março, já provocou crescimentos na casa dos 20% no turismo, havendo "uma dinâmica nova" no setor assumida pelos empresários, que estão "muito otimistas" em relação aos meses de verão.

 

“Estou muito otimista e acho que todos os empresários do setor estão”, afirmou à Lusa o empresário Horácio Franco, membro da Mesa de Turismo da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada, acrescentando que a obrigação dos empresários é “não cometer erros”, dado que agora “a realidade é diferente" daquilo a que estavam habituados.

A liberalização das ligações aéreas entre duas ilhas dos Açores (S. Miguel e Terceira) e o continente entrou em vigor a 29 de março, dia em que uma companhia aérea de baixo custo ('low cost') aterrou pela primeira vez no arquipélago, em Ponta Delgada.

Na semana passada, o Instituto Nacional de Estatística (INE) destacou o “aumento expressivo” das dormidas nos Açores (+20,7%) em abril, devido aos novos serviços de transporte aéreo, tendo os estabelecimentos hoteleiros açorianos registado no mesmo mês 99,6 mil dormidas, o que representa um acréscimo homólogo de 20,7%.

Também a Associação de Hotelaria de Portugal (AHP) divulgou na semana passada dados relativos aos primeiros quatro meses do ano em que destacou o crescimento de diversos indicadores nos Açores, referindo que o arquipélago já sentiu os benefícios da liberalização aérea.

Segundo a associação, os Açores destacaram-se pelas maiores subidas de taxa de ocupação e de RevPar (preço médio por quarto disponível), de mais 8,08 pp (40,24%) e mais 24,67% (20,06 euros), respetivamente, resultados que coincidem com a liberalização do espaço aéreo nesta região.

“Há mais pessoas a circular, há mais consumo, os restaurantes têm de facto mais clientes. (…) Há aqui uma dinâmica que era isso que defendíamos, que tinha de acontecer há mais tempo”, disse Horácio Franco, alegando que esta “nova dinâmica é extremamente motivadora”.

O empresário, ligado ao setor de aluguer de viaturas, com balcões em várias ilhas açorianas, adiantou que para toda a época alta há aumentos de dois dígitos nas reservas, algo que acontecia, normalmente, apenas no mês de agosto.

Já o presidente da Associação de Turismo em Espaço Rural nos Açores não tem dúvidas de que a ilha de S. Miguel, a maior e mais populosa no arquipélago, “vai ter o maior índice de ocupação este ano”, dada a promoção turística que está a ser feita e por ser a única para onde estão a voar as 'low cost'.

Gilberto Vieira adiantou que os associados de S. Miguel confirmaram, informalmente, o aumento do número de reservas para os meses de verão nas suas unidades de turismo rural, mas também se verificam bons indicadores nas ilhas do Faial, Pico e Flores.

“Penso que talvez onde a coisa pode estremecer seja pela Terceira, possivelmente. Mas tenho a ideia de que no cômputo geral vai subir”, afirmou Gilberto Vieira, destacando que o turismo em espaço rural nos Açores tem registado “um crescimento contínuo há vários anos e que a estadia média é agora superior a quatro dias”.

Segundo disse Gilberto Vieira, no último ano, o número de alemães que se hospedaram em unidades de turismo rural nos Açores aumentou 31%, sendo que o número de turistas nacionais (mais 15%) e franceses (mais 8%) também cresceu.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.