Justiça do Paquistão encerra caso contra jovem cristã acusada de blasfémia


 

Lusa/AO online   Internacional   20 de Nov de 2012, 08:32

A justiça paquistanesa encerrou esta terça-feira por falta de provas o caso contra Rimsha, jovem cristã acusada de blasfémia por ter queimado páginas do Corão, foi anunciado esta terça-feira.

A jovem, que sofrerá de uma deficiência mental, estava sob vigilância das autoridades, após ter sido libertada sob caução por decisão de um tribunal paquistanês, em setembro.

A decisão foi tomada pelo Tribunal Superior de Islamabad, indicam as agências internacionais.

Rimsha Masih, adolescente analfabeta, de alegadamente 14 anos, residente no bairro pobre de Mehrabad, na periferia de Islamabad, foi acusada, em meados de agosto, de ter queimado papéis em que estariam escritos versos do Corão, um crime passível de prisão perpétua no Paquistão.

O caso de Rimsha conheceu um desenvolvimento surpreendente depois de a polícia ter acusado o imã da mesquita vizinha de ter, ele próprio, introduzido páginas do Corão entre as folhas queimadas.

O incidente agravou as tensões entre a maioria muçulmana e a minoria cristã no bairro onde a criança vive e de onde já fugiram centenas de famílias cristãs por receio de represálias de radicais islâmicos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.