Julgamento de Vale e Azevedo prossegue hoje com audição de duas testemunhas

Julgamento de Vale e Azevedo prossegue hoje com audição de duas testemunhas

 

Lusa/AO online   Nacional   16 de Out de 2012, 08:05

O julgamento de Vale e Azevedo, acusado de apropriação indevida de mais de quatro milhões de euros do Benfica, prossegue hoje com a segunda sessão, preenchida com a audição de duas testemunhas arroladas pelo Ministério Público.

A audiência está programada para as 13:30, na 3.ª Vara do Tribunal Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça, estando convocados para inquirição António Leitão, diretor financeiro do Benfica no período em que Vale e Azevedo foi presidente do clube, e o contabilista Rafael Rovisco.

Na primeira sessão, realizada a 26 de setembro, sem a presença da advogada de Vale e Azevedo devido a doença, o antigo presidente do Benfica, que ocupou o cargo de 03 de novembro de 1997 a 31 de outubro de 2000, requereu o adiamento do julgamento por um período "de dois meses".

João Vale e Azevedo aguarda, em Londres, a decisão do processo de extradição para Portugal.

O coletivo de juízes, presidido por José Manuel Barata, considerou que não é "absolutamente indispensável para a descoberta da verdade material a presença" de Vale e Azevedo, "desde o início do julgamento".

Na quarta-feira, o Tribunal Superior britânico indeferiu o recurso apresentado por Vale e Azevedo para anular a decisão da primeira instância de extradição para Portugal.

João Vale e Azevedo anunciou um pedido de recurso para o Supremo Tribunal britânico.

Neste processo de alegado peculato de quatro milhões de euros, o antigo presidente do Benfica será julgado também pela alegada prática de branqueamento de capitais, de falsificação de documentos e abuso de confiança.

Vale e Azevedo está indiciado de alegada apropriação indevida de verbas resultantes das transferências dos futebolistas Scott Minto, Gary Charles, Amaral e Tahar el Khalej.

João Vale e Azevedo pediu a nulidade da acusação, com a alegação de que tinha uma conta corrente com o Benfica, clube que viveu uma crise financeira de 1998 a 2000, com algumas contas a serem penhoradas de 24 de abril a 13 de junho de 1998.

A Benfica SAD, que se constituiu como assistente no processo, pede uma indemnização cível no valor de mais de sete milhões de euros.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.