Jovem produtor da Maia venceu pela primeira vez concurso de vacas

Jovem produtor da Maia venceu pela primeira vez concurso de vacas

 

Luís Pedro Silva   Regional   4 de Jun de 2018, 11:40

Aos 34 anos, José Pereira, venceu pela primeira vez uma edição do Concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia. A vaca com o nome Francisca foi considerada o melhor exemplar da ilha de São Miguel.


A vitória do concurso Micaelense da Raça Holstein Frísia foi atribuída, pela primeira vez, a José Pereira, um jovem produtor de 34 anos, residente na freguesia da Maia.

A vaca Francisca, filha do touro Sanchez, foi a eleita pelo juiz Thomas Kelly, natural da República da Irlanda, como o melhor exemplar que esteve no concurso, em 2018.

“Já participei muitas vezes neste concurso, mas foi a primeira vez que venci o prémio da vaca grande campeã. É um momento muito alto da minha vida e não tenho palavras”, reagiu de forma emocionada o vencedor do concurso, após saber que a sua vaca tinha ganho o prémio mais desejado por todos os lavradores que apresentaram os seus animais nesta competição.

José Pereira ficou “orgulhoso” desta conquista e garante haver “muito trabalho e dedicação” para atingir este resultado.

“Com a qualidade dos animais presentes neste concurso não é fácil atingir esta vitória”, acrescentando que “é preciso trabalhar arduamente para chegar a este nível”.

A vaca grande campeã do concurso micaelense, Francisca, também venceu o prémio do melhor úbere.

O proprietário refere que a base do sucesso “está nos bons cruzamentos genéticos” e define a vaca como um “animal com muita força, bom caráter leiteiro, excelentes pernas, úbere e veias mamárias”.

Foram estas as características valorizadas pelo juiz do concurso, que já participou em provas realizadas na Alemanha, França, Dinamarca, Suécia, Espanha, Reino Unido, Hungria e Polónia.

Thomas Kelly ficou com a tarefa de escolher os melhores animais de cada secção, que passavam para uma segunda fase aonde se escolhia a vaca campeã jovem, vaca campeã intermédia e vaca campeã adulta. Deste conjunto de animais saiu depois a grande vaca campeã.

O concurso das vacas da raça Holstein Frísia arrastou milhares de pessoas, ao longo dos últimos três dias, para o Parque de Exposições da ilha de São Miguel, em Santana, num momento de festa que terminou com a eleição da melhor vaca no sábado à noite.

A vaca vice grande campeã do concurso é propriedade de Nélson Pereira, produtor de 43 anos da freguesia das Feteiras.

“Este animal ganha desde os seis meses prémios neste concurso. Tem vindo sempre a ganhar e a subir de categoria. Acredito que ainda vai chegar ao topo do concurso”, afirmou.

Em comum os dois jovens produtores, proprietários dos dois melhores animais a concurso, está a confiança no setor leiteiro nos Açores.

José Pereira conta em aumentar o número de animais na sua exploração e entrar para o programa das Vacas Felizes da Bel. O mesmo projeto está a ser desenvolvido pelo produtor Nélson Pereira, que está a investir em novos equipamentos para entrar no programa das Vacas Felizes.

“É preciso continuar a trabalhar e a apostar na agricultura. Acredito no futuro da produção do leite”, destacou.

Jorge Rita, presidente da Associação Agrícola de São Miguel, assinalou que este foi um “concurso extraordinário a todos os níveis, com animais de grande qualidade”.

“Os produtores realizam um trabalho invisível no melhoramento da genética, com uma paixão incrível pelos animais, e estivemos perante o melhor concurso de sempre na Região e um dos melhores a nível nacional”, salientou o presidente da associação.


Preço do leite nos Açores merece explicação


O presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, assistiu à final do concurso de vacas na companhia de Ulisses Correia e Silva, primeiro-ministro de Cabo Verde.

“É uma oportunidade para a agropecuária reforçar a colaboração económica entre os Açores e Cabo Verde. Esta é uma das principais áreas de atividade e constitui uma área aonde Cabo Verde necessita de importar bens”, revelou em declarações à rádio TSF-Açores.

O presidente do executivo regional considera que é necessário as indústrias apresentarem uma “explicação muito clara e concreta” sobre o preço do leite pago aos produtores nos Açores.

Vasco Cordeiro lembrou que o preço do leite pago aos produtores nos Açores já esteve próximo dos valores praticados no continente, mas que se voltou a criar uma distância ao longo dos últimos anos.

“Ao nível dos mercados a situação está melhor. A qualidade da matéria prima é uma evidência e é necessário que isto se repercuta também no preço pago ao produtor”, referiu o líder do governo que espera que sejam “encontrados pontos de equilíbrio” entre a produção, indústria e distribuição.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.