José Sócrates critica "cobardia dos políticos" e o "cinismo dos professores de Direito"

José Sócrates critica "cobardia dos políticos" e o "cinismo dos professores de Direito"

 

Lusa/AO Online   Nacional   4 de Dez de 2014, 06:32

O ex-primeiro-ministro José Sócrates criticou a "cobardia dos políticos", a "cumplicidade de alguns jornalistas" e o "cinismo das faculdades e dos professores de direito" numa carta enviada e publicada esta quinta-feira no Diário de Notícias.

 

“Digamo-lo sem rodeios: o ‘sistema’ vive da cobardia dos políticos, da cumplicidade de alguns jornalistas; do cinismo das faculdades e dos professores de Direito e do desprezo que as pessoas decentes têm por tudo isto. De resto, basta-lhes dizer: Deixem a justiça funcionar”, escreveu José Sócrates na carta enviada ao DN.

Na missiva, o antigo primeiro-ministro aborda também as questões da prisão preventiva, do segredo de justiça e da necessidade de se deixar funcionar as instituições.

Sobre a prisão preventiva, José Sócrates acentuou: “prende-se para melhor investigar, prende-se para humilhar, para vergar. Prende-se para extorquir, sabe-se lá que informação. Prende-se para limitar a defesa: sim, porque esta pode ‘perturbar o inquérito’”.

O antigo chefe do Governo alegou também que em Portugal prende-se principalmente para “despersonalizar”, salientando que a “pessoa deixa de ser cidadão face às instituições”, ou seja “passa a ser apenas um recluso”.

Na carta, José Sócrates apontou também o dedo a “alguns jornalistas”, que acusou de serem “pagos com elogios”.

“Nem precisam de falar – os jornalistas (alguns) fazem o trabalho para eles. Toma lá informação, paga-me com elogios. Dizem-lhes que é crime conhecerem, eles compensam-nos com encómios: magnífico juiz, prestigiado procurador; polícia dedicado e competente”, salientou.

Sobre o segredo de justiça, José Sócrates escreveu: “Sim, há o segredo de justiça, mas esse só a defesa está obrigada a cumpri-lo”.

A terminar, o ex-líder socialista questiona o controlo dos magistrados. “Quem nos guarda dos guardas? Silêncio. ‘As instituições estão a funcionar”, concluiu.

A carta de José Sócrates surgiu depois de o Supremo Tribunal de Justiça ter indeferido na quarta-feira um pedido de libertação imediata de José Sócrates, alegando "manifesta falta de fundamento legal".

A 21 de novembro último, o antigo líder do PS foi detido e, após interrogatório judicial, ficou em prisão preventiva, por o juiz considerar existir perigo de fuga e de perturbação da recolha e da conservação da prova.

Está indiciado dos crimes de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada num processo que envolve outros arguidos, incluindo o empresário e seu amigo de longa data Carlos Santos Silva, também em prisão preventiva.

O inquérito está alegadamente relacionado com ocultação de património e com diversas transações financeiras, mas a defesa alega que os investigadores ainda não avançaram com quaisquer indícios relativos ao crime de corrupção, designadamente se é corrupção passiva e se envolve ato lícito ou ilícito.

Sócrates está detido no Estabelecimento Prisional de Évora, onde já recebeu visitas de destacadas figuras do PS, incluindo do antigo Presidente da República Mário Soares.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.