José Pedro Fontes e Ricardo Moura decidem Nacional de ralis no Algarve

José Pedro Fontes e Ricardo Moura decidem Nacional de ralis no Algarve

 

Lusa/AO Online   Motores   6 de Nov de 2015, 09:54

José Pedro Fontes (Citroen DS3) parte em vantagem sobre Ricardo Moura (Ford Fiesta R5) na luta pela conquista do título nacional de ralis, que se decide no Algarve, mas ambos dependem só de si próprios.

 

José Pedro Fontes tem mais 9,5 pontos do que Ricardo Moura (145,5 contra 136), mas, como cada piloto tem de descartar o pior resultado, a diferença ‘real’ é de 8,5 (144 contra 135,5), que podem ser anulados no caso de o piloto da Ford vencer o rali algarvio e todas as oito especiais.

Conseguindo o pleno, no sábado e no domingo, o açoriano somará 29 pontos e chegará ao quarto título, após os conquistados entre 2011 e 2013, independentemente dos resultados do atual líder, que não poderá fazer mais de 20.

A vantagem é, porém, de José Pedro Fontes, que chegará ao seu primeiro cetro nacional ficando em segundo lugar no Algarve, desde que Ricardo Moura não vença todas as provas especiais de classificação (pec), quatro no sábado e outras tantas no domingo.

“Neste momento, o nosso único adversário na luta pelo título é o Ricardo Moura. Estamos na frente do campeonato e não necessitamos de vencer para sermos campeões. Dependemos apenas de nós”, disse o líder da prova, citado pelo Autosport.

José Pedro Fontes, que já ganhou em Guimarães, Castelo Branco e Madeira, promete, ainda assim, “lutar pela vitória”, mas com a “estratégia adequada”, face à vantagem pontual com que chega a terras algarvias.

Por seu lado, Moura vai tentar “contrariar o favoritismo de José Pedro Fontes” e da sua “equipa oficial e profissional”, de forma a igualar os quatro títulos de Carlos Bica (1988 a 1991), Joaquim Santos (1982 a 1984 e 1992) e Armindo Araújo (2003 a 2006) e suceder no palmarés da prova a Pedro Meireles, vencedor em 2014 ao volante de um Skoda Fabia R5.

A exemplo de Fontes, o açoriano venceu três ralis em 2015, o Serras de Fafe, o Sata Rallye Açores e o Vidreiro – Centro de Portugal, enquanto o ainda detentor do título venceu o sétimo, o Rali Casinos do Algarve.

No Rali Algarve, o vencedor pode conquistar um máximo de 29 pontos, 25 pela vitória e quatro pelas oito especiais (0,5 por cada), sendo que Fontes será campeão se não perder mais do que 8,5 pontos para Moura.

Além dos 25 pontos ao vencedor, são atribuídos 20 ao segundo colocado, 17 ao terceiro, 14 ao quarto, 12 ao quinto, 10 ao sexto, oito ao sétimo, seis ao oitavo, quatro ao nono, dois ao 10.º e um aos restantes que acabem a prova.

O Rali do Algarve arranca na tarde de sábado, com quatro especiais, duas passagens em São Brás (11,46 km) e outras tantas em Alportel (6,61), e termina na manhã de domingo, com mais quatro - Ameixial (17,79) e Salir (22,85) a ‘dobrar’.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.