Jornalistas espanhóis denunciam pressões do Podemos


 

Lusa/Açoriano Oriental   Internacional   7 de Mar de 2017, 10:59

A principal associação de jornalistas espanhóis acusa o Podemos de tentar controlar o trabalho dos profissionais da informação e exige que a direção deste partido de extrema-esquerda acabe com a "campanha sistemática de perseguição pessoal".

"A Associação dos Jornalistas de Madrid [APM] considera totalmente incompatível com o sistema democrático que um partido, seja ele qual for, tente orientar e controlar o trabalho dos jornalistas e limitar a sua independência", pode ler-se num comunicado daquela associação, divulgado na segunda-feira.

A APM recolheu uma série de “testemunhos e provas documentais” entregues por vários jornalistas e exige que o Podemos “deixe uma vez por todas a campanha sistemática de perseguição pessoal e em redes [sociais] que vem levando a cabo contra profissionais de vários meios, a quem amedronta e ameaça quando está em desacordo com as suas informações”.

A associação explica que a perseguição por parte de membros do Podemos é feita de forma reiterada e desde há mais de um ano em ataques a jornalistas, com censuras e alusões pessoais em entrevistas, foros e atos públicos, ou diretamente na rede social Twitter.

“Estas pressões também se realizam de forma pessoal e privada com mensagens e chamadas intimidatórias”, segundo o comunicado.

De acordo com a APM, a estratégia de perseguição do Podemos “viola de uma forma muito grave os direitos constitucionais à liberdade de expressão e à liberdade de informação e diminui o livre exercício do jornalismo, que é imprescindível para preservar a saúde de uma sociedade democrática como a espanhola”.

“A perseguição visa minar a credibilidade e o prestígio destes profissionais, submetidos em várias ocasiões a um bombardeamento de mensagens que tentam desqualificar ou ridicularizar o seu trabalho e limitar a sua liberdade de informação”, acrescenta a associação de jornalistas.

A APM considera que a “campanha inaceitável” do Podemos está a criar um “estado de medo” entre os jornalistas e que tem por finalidade persuadir os profissionais da informação a escreverem o que convém a este partido, levando-os à “autocensura”.

A associação que agrupa os jornalistas dos principais órgãos de comunicação social de Espanha não quer, neste momento, dar informação sobre casos particulares.

O Podemos nasceu há apenas três anos, em janeiro de 2014, a partir de grandes manifestações em Espanha contra a austeridade imposta na altura pelo Governo de direita do Partido Popular.

O partido é a terceira força política mais votada em Espanha e dirige, em várias coligações, cidades como Madrid ou Barcelona.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.