Justiça

João Loureiro julgado por fraude e abuso de confiança fiscal no Boavista


 

Lusa / AO online   Nacional   19 de Jan de 2010, 14:16

 João Loureiro, ex-presidente da SAD do Boavista, começou esta terça-feira a ser julgado no Tribunal de São João Novo, no Porto, por fraude e abuso de confiança fiscal, com a defesa a realçar a “boa fé” demonstrada pelo antigo dirigente.
João Loureiro e mais dois antigos administradores boavisteiros, Carlos Pissarra e Vítor Borges, estão acusados de terem lesado o fisco em 3,4 milhões de euros, por não terem entregue dinheiros relativos a IRC, IRS e imposto de selo entre 2001 e 2004.

Loureiro confiou a sua defesa ao advogado Lourenço Pinto e foi este que, já no final, defendeu perante a comunicação social “a boa fé que as pessoas tiveram em solicitar um PEC (Plano Extrajudicial de Conciliação)” para liquidar as verbas retidas.

O montante mais elevado refere-se a cerca de 2,5 milhões de euros de IRS retido aos salários dos futebolistas e funcionários pagos entre Fevereiro de 2003 e Fevereiro de 2004 e não entregues ao Estado no prazo legal.

Lourenço Pinto referiu ainda que “a administração pública deu o seu aval, aceitando que nele fossem incluídas todas as dívidas que porventura o clube tivesse ao tempo e que fossem liquidadas num sistema prestacional, que sempre foi cumprido escrupulosamente”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.