Música

Jim Morrison perdoado 40 anos depois de crime de atentado ao pudor


 

Lusa/AO online   Internacional   10 de Dez de 2010, 10:36

O ex-vocalista dos The Doors, Jim Morrison, falecido em 1971, foi quinta-feira perdoado do crime de atentado ao pudor pelo qual foi julgado e condenado à prisão há 40 anos, anunciou o governo da Flórida, nos Estados Unidos.
O Conselho de Clemência da Flórida aprovou por unanimidade um pedido de perdão do governador Charlie Crist, que atendeu aos apelos dos fãs da banda para que fossem suspensas as acusações de que Jim Morrison era alvo.

O crime em questão remonta a 1969, quando os autores de "Light My Fire" actuaram em Miami, no auditório Dinner Key.

Na ocasião, Jim Morrison, aparentemente embriagado, terá alegadamente mostrado os órgãos genitais e insultado a moral pública, embora os detalhes sobre o momento não sejam claros, pois o público invadiu o palco e o próprio Morrison andou à luta com o promotor do espectáculo

O concerto dos The Doors no Dinner Key transformou-se num evento mítico na história do rock na América.

Morrison morreu em Paris, a 03 de Julho de 1971, com 27 anos, enquanto esperava o resultado da interposição de um recurso e depois de ter pago uma caução para esperar em liberdade no rescaldo do espectáculo de Miami.

O perdão hoje conhecido chega um dia depois da data de nascimento do cantor, que, se fosse vivo, faria 67 anos este ano.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.