Jardim Antero de Quental com estátuas de perfis literários dos Açores

Jardim Antero de Quental com estátuas de perfis literários dos Açores

 

LUSA/AO online   Cultura e Social   30 de Jun de 2017, 17:38

O presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, nos Açores, revelou hoje que vão ser criadas três estátuas no jardim Antero de Quental, do poeta, de Vitorino Nemésio e Natália Correia, integradas na política de valorização do seu legado

"Por evocação da memória de Antero de Quental e da sua importância temos vindo a desenvolver o compromisso de valorizar todo o seu legado”, declarou José Manuel Bolieiro, em conferência de imprensa realizada no jardim com o nome do filósofo, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

O presidente do maior município dos Açores, que recordou já ter sido criado pela Câmara Municipal o dia municipal de Antero de Quental, referiu que esta iniciativa integra-se no conjunto de eventos que visa a valorização do seu pensamento literário e intelectual, surgindo as estátuas de Vitorino Nemésio e Natália Correia na perspetiva de valorização do legado anteriano.

“A estatuária vai permitir a valorização deste espaço, uma vez que estas são referências da literatura e do pensamento dos Açores, tornando-se assim o jardim mais atrativo para a leitura”, disse o autarca, que acrescentou que esta iniciativa será “também um momento de cultura, desenvolvimento e aprendizagem”.

José Manuel Bolieiro declarou que o jardim será ainda dotado de um livro que será incorporado numa árvore sem que a mesma seja danificada, sendo ainda criados três livros tora protegidos por uma caixa de acrílico.

Antero Tarquínio de Quental nasceu no seio de uma família ilustre em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, há 175 anos.

Poeta, filósofo e agitador político, foi considerado um dos grandes sonetistas da literatura portuguesa, tendo publicado a sua primeira obra, intitulada “Sonetos de Antero”, em 1861.

Formado em Direito pela Universidade de Coimbra, trabalhou numa tipografia, fundou o jornal “A República” e, com Eça de Queirós, Oliveira Martins e Ramalho Ortigão, organizou uma série de conferências democráticas conhecidas como “Cenáculo”, no Casino Lisbonense, que acabou fechado por decreto real.

É parceiro da Câmara Municipal de Ponta Delgada nesta iniciativa a Nova Gráfica, possuidora da editora Letras Lavadas, cujo responsável, Ernesto Resendes, que anunciou a realização da Festa do Livro Açoriano, em Ponta Delgada, de 14 a 23 de julho, com o apoio do munícipio e da Câmara de Comércio e Indústria de Ponta Delgada.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.