Japão reduz quota para caça à baleia no Antártico


 

Lusa/AO online   Internacional   18 de Nov de 2014, 17:24

O Japão anunciou ter cortado em dois terços a sua quota de caça à baleia no Antártico, de modo a convencer a comunidade internacional de que está a conduzir genuínas investigações científicas durante as suas expedições à região.

 

O Tribunal Internacional de Justiça decretou em março que o Japão estava a abusar das isenções científicas estabelecidas em 1986 para as regras da caça à baleia.

Segundo o tribunal, o polémico programa japonês, que permite que barcos subsidiados por dinheiro público lançassem arpões sobre os mamíferos e que a sua carne fosse vendida (supostamente como subproduto), constituía uma ação de caça com fins comerciais disfarçada de investigação.

Os juízes indicaram que qualquer nação que quisessem invocar a isenção científica tinha de explicar porque era necessário matar as baleias para conduzir a sua investigação.

Após esta decisão do tribunal, o Japão cancelou o programa de 2014-15, mas anunciou que pretende recomeçar a "investigação sobre as baleias" em 2015-16.

Num novo plano submetido à Comissão Baleeira Internacional e ao seu comité científico, o Japão estabeleceu um novo limite para matar baleias de minke, fixado em 333 por ano, uma redução face ao limite anterior de 900.

Segundo o Governo japonês, estas mortes são "necessárias" para obter informação sobre a idade da população das baleias, dados que são precisos para estabelecer "limites seguros para a caça" e garantir a sustentabilidade.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.