Japão proíbe entrada no país de 11 ecologistas da Sea Shepherd


 

Lusa/AO online   Internacional   6 de Jan de 2015, 10:58

O Japão negou entrada no seu território a 11 membros da organização ecologista Sea Shepherd, que se opõe à pesca de cetáceos que decorre no país, confirmou hoje o Governo nipónico.

 

O porta-voz do executivo, Yoshihide Suga, explicou que, com base na lei de imigração, as autoridades rejeitaram o pedido destas 11 pessoas para entrar no Japão por não considerarem válidos os motivos de entrada e as atividades a desempenhar no país especificadas nos documentos.

Os ativistas da Sea Shepherd têm boicotado regularmente as campanhas de caça da baleia no Oceano Antártico e também a caça de golfinhos que todos os anos se realiza na localidade de Taiji, em Wakayam.

Ainda que Yoshihide Suga não tenha dado mais pormenores sobre o caso nas declarações recolhidas pela emissora pública NHK, tudo indica que o Departamento de Imigração rejeitou os pedidos de entrada por suspeitas de que os 11 membros da Sea Shepherd iriam boicotar a campanha de Taiji, em abril.

A caça de cetáceos no Japão é habitualmente feita com arpões, sendo a carne dos animais destinada principalmente ao consumo humano. As autoridades locais defendem a sua captura, alegando o valor tradicional e dizendo que fazem parte da cultura gastronómica nipónica.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.