Investigadores australianos obrigados a entregar raro meteorito de 1,7 kg a museu


 

Lusa/AO online   Internacional   15 de Jan de 2016, 06:14

Investigadores australianos vão ser obrigados a entregar a um museu um meteorito de 1,7 quilogramas, descoberto recentemente, ao abrigo da lei.

Uma equipa de investigadores da Curtin University fez a descoberta a 31 de dezembro no Lago Eyre, depois de uma corrida contra o tempo, já que os cientistas temiam não encontrar o meteorito antes de a chuva levar qualquer vestígio do local onde o pedaço vindo do Espaço tinha caído.

Depois de detetar o objeto a 27 de dezembro, a equipa da Curtin University embarcou numa operação de resgate, de três dias, que envolveu uma rede com 32 câmaras, um avião ligeiro, ‘trackers’ aborígenes, uma moto-quatro e um ‘drone’.

Apesar do esforço, os investigadores não vão poder guardá-lo, já que ao abrigo da lei australiana, o meteorito pertence ao estado onde caiu, que não é o mesmo de onde procedem os investigadores, de acordo com a agência chinesa Xinhua.

O Museu da Austrália do Sul já contactou o grupo e as duas partes acordaram que o meteorito vai juntar-se à coleção do museu depois de os investigadores acabarem de o analisar.

Em troca, os investigadores vão ser homenageados: “De facto, o museu tem uma pequena medalha para dar às pessoas quando são devolvidos meteoritos à coleção”, disse hoje uma porta-voz do museu à News Corp.

“Às vezes damos um pequeno pedaço de meteorito em troca”, acrescentou.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.