Investigação não deteta bactérias em utentes que morreram em casa de saúde nos Açores


 

Lusa/AO Online   Regional   13 de Jun de 2016, 19:26

A investigação da Delegação de Saúde de Angra do Heroísmo, não detetou bactérias nas análises dos utentes que morreram em março na Casa de Saúde de São Rafael, mas o Ministério Público continua a investigar o caso.

 

"Não foram detetadas bactérias nas amostras colhidas aos utentes aquando da sua deslocação ao hospital", disse à Lusa fonte da Secretaria Regional da Saúde.

Em finais de março três utentes faleceram na mesma noite na Casa de Saúde de São Rafael, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, segundo a instituição devido a um "surto diarreico sem febre", tendo a Delegação de Saúde e a Inspeção Regional das Atividades Económicas iniciado inspeções para averiguações.

Segundo a mesma fonte, não foram detetadas nas análises as bactérias salmonela ou ‘shigella’, nem foram identificados micro-organismos potencialmente enteropatogénicos.

No entanto, a mesma fonte frisou que a investigação do Ministério Público continua a decorrer, acrescentando que foi entregue um relatório inicial, mas que a tutela poderá retomar a investigação se isso for solicitado.

"A Delegação da Saúde está disponível para continuar a colaborar com o Ministério Público, dentro das suas competências para esclarecer o que se passou", salientou.

O caso foi revelado em março pela RTP/Açores.

Segundo a instituição, um "surto diarreico sem febre associada" afetou vários utentes e levou à hospitalização de dois, "um de 73 anos e outro de 41", que acabaram por falecer no dia seguinte.

Um terceiro utente, de 44 anos, que segundo a Casa de Saúde "manifestou apenas alguns sintomas de má disposição", veio a "aparecer cadáver no leito, aquando da ronda noturna", na instituição.

Em abril, a instituição disse, em comunicado, que "tomou todas as diligências necessárias no sentido de identificar a causa desta ocorrência, tendo sido enviadas para análise bacteriológica no hospital da ilha Terceira, colheitas de fezes dos utentes que apresentavam diarreias mais graves" e que estava disponível para colaborar com as inspeções.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.