Intensificam-se relações comerciais entre Portugal e Angola


 

Lusa/AO On line   Internacional   17 de Jul de 2010, 09:09

As empresas portuguesas já utilizaram 650 milhões dos mil milhões de euros que o Estado disponibiliza para seguros de crédito sobre as exportações para a Angola, com projetos sobretudo no setor da construção e da reabilitação.

Segundo fonte oficial do ministério das Finanças, “até à data foram aprovados 37 projetos, que representam cerca de 65 por cento da linha de seguro de crédito comercial”, criada para apoiar a exportação de bens e serviços de origem portuguesa para Angola, com um montante até mil milhões de euros.

Os setores da construção e reabilitação de infraestruturas, da construção naval e das tecnologias de informação são os mais representativos nos projetos aprovados ao abrigo desta convenção.

De acordo com o ministério de Teixeira dos Santos, a linha de crédito com um montante de 100 milhões de euros, que prevê o financiamento de projetos integrados no Programa de Investimentos Públicos angolano com a participação de empresas portuguesas ou incorporação bens e serviços de origem nacional, deu até luz verde a dois projetos que absorveram metade do valor disponibilizado.

A pensar no intensificar das relações entre os dois países, o Governo lançou uma linha de crédito comercial de 500 milhões de euros destinada ao financiamento de projetos de capacitação, remodelação, reabilitação e construção ou reconstrução de infraestruturas, por parte de empresas portuguesas, em parceria com angolanas, e importações de bens de equipamento de origem portuguesa ou com incorporação nacional significativa.

“Esta linha de crédito pode ainda aplicar-se à regularização das dívidas do Estado angolano às empresas de construção portuguesas, mediante iniciativa do Estado de Angola”, adiantou à Lusa fonte oficial das Finanças.

Estas linhas de crédito ganham destaque quando o Governo angolano decidiu apostar no regime de parceria público-privada (PPP) nas concessões rodoviárias.

“Desde 2002 que lançamos um programa de infraestruturas e o que tivemos como perspetiva foi ligar o país com estradas em boas condições de circulação e conseguimos hoje fazer o país circular”, explicou o ministro do Urbanismo e Construção de Angola.

“Fruto deste trabalho que desenvolvemos, assumimos uma dívida acima dos 4 mil milhões de dólares [3,1 mil milhões de euros, à taxa de câmbio atual]. É muito dinheiro que o Estado investiu nas concessões rodoviárias”, acrescentou José da Silva Ferreira, em conferência de imprensa no final de uma cerimónia que serviu para assinar um conjunto de protocolos de entendimento sobre os dois países na temática das Obras Públicas.

O Presidente da República, Cavaco Silva, visita a Angola, a convite do Presidente José Eduardo dos Santos, de 19 a 22 de julho, à qual se seguirá a participação, no dia 23, na VIII Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CPLP.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.