Índices usados na pediatria em Portugal são "desadequados"

Índices usados na pediatria em Portugal são "desadequados"

 

Lusa/AO On line   Nacional   4 de Out de 2010, 06:32

As curvas de crescimento infantil usadas em Portugal precisam de ser revistas e são consideradas inadequadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), um assunto que vai estar em análise no Congresso de Pediatria que decorre na próxima semana.
Em entrevista à agência Lusa, o vice presidente da Sociedade Portuguesa de Pediatria (SPP) António Guerra explica que a OMS publicou em 2006 novas curvas de crescimento (dos 0 aos 5 anos) baseadas num estudo detalhado em diferentes continentes e que inclui amostras “altamente selectivas de crianças”.

“Trata-se de amostras que incluem indivíduos vivendo em ambiente social, alimentar e de cuidados de saúde favorável a um saudável crescimento e desenvolvimento de acordo com o seu potencial genético”, acrescenta o médico.

Estas novas curvas indicam como desejavelmente as crianças devem crescer, ao contrário das actualmente usadas em Portugal.

As curvas da OMS incluem, para além do peso e do comprimento/estatura, o índice de massa corporal (uma relação entre peso e estatura que é variável com a idade) logo a partir do nascimento.

“O que importa é que a criança cresça proporcionalmente relativamente ao peso e estatura, sendo sempre desejável que, quando um dos parâmetros tem ascendente sobre o outro, seja a estatura a situar-se num percentil superior ao peso”, refere o pediatra.

A inadequação das curvas de crescimento usadas em Portugal podem conduzir a interpretações incorrectas do perfil de crescimento da criança, levando por exemplo, a que algumas crianças já obesas pelos parâmetros da OMS não seriam caracterizadas como tal pelas curvas anualmente usadas.

Sublinhe-se que as curvas da OMS foram construídas com base em lactentes alimentados exclusivamente com leite materno nos primeiros quatro a seis meses de vida.

António Guerra lembra que as crianças alimentadas com leite natural aumentam menos de peso a partir sensivelmente do quarto mês o que, à luz das curvas de crescimento actuais, pode induzir os médicos a introduzirem desnecessariamente leite artificial ou a diversificação alimentar precoce.

Para o pediatra, um “dos mais frequentes e preocupantes erros alimentares nos primeiros anos de vida é o regime alimentar hiperproteico” que conduz a um aumento do risco de obesidade.

O Congresso Nacional de Pediatria, que decorre de 6 a 8 de outubro no Funchal, irá debater a aplicação das novas curvas de crescimento e contará com a participação da coordenadora do departamento de Nutrição da OMS, Mercedes de Onis.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.