Incêndios: área ardida é a maior dos últimos 4 anos


 

Lusa/AO On Line   Nacional   30 de Set de 2010, 06:28

A época mais crítica em incêndios florestais termina hoje, depois de um verão que ficou marcado pela morte de três bombeiros e a maior área ardida dos últimos quatro anos.
 

Durante a fase “Charlie” de combate a incêndios, que começou a 01 de julho e termina hoje, estiveram operacionais perto de 10 mil elementos, 2177 veículos e 56 meios aéreos, além dos 236 postos de vigia da responsabilidade da GNR.

Com um dispositivo praticamente idêntico ao dos anos anteriores, os fogos florestais não deram tréguas aos bombeiros sobretudo na primeira quinzena de agosto, quando os incêndios consumiram 49 389 hectares de florestas.

Segundo os últimos dados da Autoridade Florestal Nacional (AFN), os fogos florestais consumiram até 15 de setembro quase 117 949 hectares, mais 58 por cento do que no mesmo período do ano passado.

Dos quase 118 mil hectares ardidos, 90 818 foram o resultado dos 9222 incêndios que deflagraram em agosto.

A área ardida este ano é a maior dos últimos quatro anos, embora esteja longe dos 418 330 e 312 062 verificados em 2003 e 2005, respetivamente.

Já as ocorrências registaram uma ligeira descida, tendo-se verificado, até 15 de setembro, 19 567 fogos, menos 93 do que em igual período do ano passado.

Segundo o relatório, o distrito da Guarda contabiliza a maior área ardida (23 345 hectares), seguindo-se os distritos de Viana do Castelo (19 877), Vila Real (18 751) e Viseu (15 321).

O maior incêndio deflagrou no concelho de São Pedro do Sul (Viseu) e consumiu cinco mil hectares de floresta.

Foi a caminho do combate a este fogo que faleceu um dos três bombeiros mortos este ano. O bombeiro de Alcobaça morreu na sequência do despiste do autotanque de combate a incêndios.

Também um acidente vitimou o segundo comandante dos bombeiros de Cabo Ruivo, que fazia parte de uma equipa que ia combater fogos na zona do Porto.

Outro dos bombeiros mortos foi uma mulher de 20 anos, que pertencia à corporação de Lourosa, Santa Maria da Feira, e estava a combater um incêndio no concelho de Gondomar.

A partir de sexta feira e até 31 de outubro, entrará em vigor a fase “Delta” de combate a incêndios florestais, sendo o dispositivo composto por cerca de 5450 elementos e 1230 veículos.

Os bombeiros vão ter ainda ao dispor, até 15 de outubro, 19 meios aéreos e a partir do dia 16 serão no máximo sete disponibilizados pela Empresa de Meios Aéreos (EMA), que serão ativados segundo a avaliação do perigo e do risco de incêndio.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.