Impacto financeiro dos três primeiros dias é de 10M

 Impacto financeiro dos três primeiros dias é de 10M

 

Lusa/AO Online   Economia   4 de Mai de 2015, 20:01

O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, afirmou hoje que o impacto financeiro dos três primeiros dias de greve dos pilotos, incluindo custos indiretos, é de 10,020 milhões de euros.

Os pilotos marcaram uma greve, para o período entre 01 e 10 de maio, por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação de até 20% no capital da empresa no âmbito da privatização.

Em conferência de imprensa hoje, no ministério da Economia, o secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, estimou que se a greve durar os dez dias, tal como foi convocada pelo SPAC - Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil, o impacto financeiro será de 30 milhões de euros e voltou a lançar um "repto" à direção do sindicato dos pilotos para que desconvoquem a paralisação.

Esta manhã tinha sido avançado o valor de 8,4 milhões de euros, como estimativa do impacto da greve nos primeiros três dias, resultante da redução das receitas diretas de bilheteira.

"Queria atualizar este valor", afirmou hoje ao fim da tarde o governante, apontando que há "um conjunto de custos" que não estava contemplado no valor anterior e que tem a ver com o alojamento em hotéis para passageiros que não conseguem voar, as refeições e todo o tipo de custos indiretos resultantes de uma paralisação.

Além disso, o montante acima referido não tem "contabilizado a redução de custos/benefícios para a contabilidade da empresa decorrentes do não pagamento de salários aos trabalhadores que estão em greve", explicou.

Feitas as contas, "o efeito agregado de todos estes fatores leva-nos a estimar, com alguma precisão, o impacto da greve nos primeiros três dias de operação em 10,020 milhões de euros", disse Sérgio Monteiro.

"Projetado [o impacto] de uma forma linear no tempo para os sete dias restantes", as estimativas apontam para "um impacto da greve superior a 30 milhões de euros", sublinhou.

"Ora aqui chegados, nós ainda estamos a tempo de evitar mais 20 milhões de euros de impacto financeiro", já que "os 10 milhões de euros passados já não os conseguimos evitar" e "os custos indiretos na economia associados a esta paralisação não são passíveis de ser evitados", disse.

No entanto, "podemos evitar os 20 milhões [de euros] e o impacto indireto na economia", afirmou Sérgio Monteiro, que apelou à "direção sindical do SPAC" para que desconvoque a paralisação.

"Os pilotos, na sua maioria, já deram a resposta que o país esperava, falta que a direção sindical desconvoque a greve com a brevidade possível", disse.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.